Opinião

Acordo militar Brasil – EUA não inclui bases
08/04/2010
As variáveis de segurança e defesa e seu impacto n
08/04/2010

A China muda a geopolítica de tudo

A China muda a geopolítica de tudo

Fabio Pereira Ribeiro

Constantemente vemos opiniões sobre as grandes mudanças que a China vem desenvolvendo no cenário internacional, principalmente sobre a ótica geopolítica que estabelece conceitos de poder e equilíbrio de atitudes e atividades sobre o conceito de condicionantes de política externa e necessidades de negócios internacionais.

Recentemente a China ficou configurada como a grande transformadora da geopolítica do petróleo no sistema internacional. Sua produção interna e suas necessidades reais de energia levam a um novo posicionamento de poder e controle.

As perspectivas de comércio e inserção da China em mercados como América Latina, África e até mesmo Oriente Médio são latentes, e com três grandes finalidades, aproveitamento da capacidade fornecedora destes locais para as questões de energia, estoque de alimentos e inserção de produtos chineses (de forma legal e ilegal).

Por exemplo, recentemente a Arábia Saudita investiu mais de US$ 60 bilhões em um novo campo de extração com capacidade de produção de 1,3 milhão de barris diários para atender especificamente a China e a Índia, considerando que boa parte fica para os nossos amigos chineses.

O governo Angolano em pronunciamentos oficiais ampliou os laços diplomáticos e de negócios com a China, inclusive para consolidar o fornecimento de petróleo para Asia e ao mesmo tempo abrir mais portas de comércio de produtos chineses em terras africanas.

Por sinal, a África de uma forma geral tem mudado sua cara, pois cada vez mais em suas cidades os chineses são mais vistos, principalmente em tarefas que os africanos ainda não tem mão-de-obra qualificada, como por exemplo construção civil.

Tudo em troca e proteção do fornecimento de petróleo e manutenção dos contratos de compra de produtos chineses.

Os Estados Unidos perderam um pouco da hegemonia e do controle geopolítico, e não pela questão militar, mas sim por causa do controle geopolítico do petróleo, e como o grande estrategista americano dizia, Michael Porter, eles perderam o poder de barganha com os fornecedores, e a China neste ponto avançou pesadamente.

Sua capacidade de consumo sobressai qualquer aparato militar, e os novos direcionamentos do que vem a ser o novo imperialismo do futuro podem ter determinantes diferenciados, mas com o mesmo sentido, o poder sempre será estabelecido por um grande poder de barganha.

A China neste caso aproveita as novas mudanças geopolíticas, e aproveita para mexer com a história, ou melhor fazer com que a mesma se repita, os grandes impérios um dia caem.

E que os Estados Unidos se cuidem.

Professor doutor Fabio Pereira Ribeiro é Diretor de Marketing e Relações Internacionais da UNIMONTE, especialista em Inteligência Estratégica e Conflitos Internacionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *