Brasília, 14 de novembro de 2018 - 05h54

Cúpula Sul-Americana

05 de outubro de 2005
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
Marcelo Rech

A primeira reunião de Cúpula dos presidentes da Comunidade Sul-Americana foi marcada pelo esvaziamento, o desrespeito e a constatação de que este ainda é um projeto distante de ser viabilizado.

Muita retórica, ciumeira e disputas polà­ticas enfraquecem o sonho de integração sonhado por Bolà­var e levado aos trancos e barrancos pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Rafael Chávez Frias.

Desde a posse, em janeiro de 2003, Lula tem dito que a integração sul-americana é uma prioridade para o seu governo. O batismo de fogo foi justamente a crise venezuelana, quando o Brasil acabou por segurar Chávez no poder desfazendo o sonho golpista de Carmona, o `brevà­ssimo`, como afirma o venezuelano.

Pois, apesar dos esforços empreendidos para manter o presidente legitimamente eleito da Venezuela, mostram-se insuficientes para consolidar uma aliança que mescla ideologia e pragmatismo. Chávez é a voz dissonante nesse contexto.

E, com razão, diga-se. Ao contrário de Nestor Kirchner que se comporta como uma criança birrenta e enciumada, o coronel Hugo Chávez rejeita os modelos das cúpulas e exige praticidade nos encontros presidenciais.

“Os papéis estão invertidos. Há uma ditadura dos chanceleres, quando os là­deres polà­ticos somos nós, os presidentes”, afirmou em Brasà­lia, logo após o encerramento da Cúpula.

Com habilidade polà­tica e pragmatismo, trouxe à  Brasà­lia, o presidente da Repsol, Antonio Bufal, e o presidente argentino. Assinou um contrato para a construção de um gasoduto, compra e venda de petróleo, criação de empresas mistas para explorar o potencial energético da região do Orinoco e ainda comprou uma empresa Argentina por US$ 92 milhões.

O que Chávez quer e que irrita profundamente os conservadores e até mesmo os progressistas, é que as cúpulas sejam transformadas num espaço de debate onde os presidentes possam dizer o que realmente pensam e aprovar projetos que saiam do papel e do mundo paralelo da retórica.

O que ele quer é justo, pois a diplomacia cria muitas amarras que impedem que se percebam os avanços conquistados. A Repsol foi chamada dois dias antes da Cúpula e toda sua direção despachou-se de Madri para fazer negócios em Brasà­lia. É assim que o mundo funciona. Oportunidades de negócios não perdem no emaranhado da burocracia.

A Repsol está presente na Venezuela há 15 anos e usufrui das excelentes relações mantidas entre Chávez e Zapateiro. Muitas empresas brasileiras pensam assim, mas o Itamaraty engessa o formato dos encontros e inibe avanços significativos.

Desta forma, Hugo Chávez vai fazendo a integração acontecer. Foi ele, por exemplo, quem decidiu que a refinaria construà­da em parceria com a Petrobrás, seria em Pernambuco. Uma homenagem à  Abreu e Lima, o brasileiro que lutou ao lado de Bolà­var.

É desta forma que a Venezuela, odiada pelas oligarquias, faz a integração energética chegar ao Uruguai, Argentina, Bolà­via, Equador. O Brasil, por sua vez, mantém uma postura abertamente criticada pelos vizinhos. Uma arrogância injustificável.

Não se faz integração apenas com o perdão de dà­vidas ou a criação de linhas de crédito, mas com debate e troca de impressões. A integração pode ser uma prioridade para Lula, mas não pode ser, de forma alguma, tratada como algo inventado ou criado pelo presidente brasileiro e seu staff diplomático. Seria muita pretensão imaginar isso.

Por essa razão, lamenta-se as ausências de Kirchner e Tabaré Vazquez. É fundamental que participem ativamente e digam de forma clara, o que pensam e o que desejam. Chávez fez a sua parte e isso incomoda. Mas, é melhor incomodar buscando o melhor, que agradar não fazendo nada.

Marcelo Rech é Editor do InfoRel




Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...