Opinião

Economia
08/01/2015
Geopolítica
15/01/2015

Política Internacional

A geopolítica de dois pesos e duas medidas

Marcelo Rech

O ano de 2014 será marcado não apenas pelas crises internacionais, mas pela forma como as grandes potências e os mecanismos multilaterais lidaram com elas. Não é surpresa que tanto Estados Unidos como a aliança atlântica foram surpreendidos e falharam ao tentar remediar conflitos.

A última cúpula da OTAN realizada em setembro passado na Estônia desnudou uma organização ainda abalada com os últimos episódios envolvendo Rússia e Ucrânia e sem um rumo ou discurso firmes sobre que caminho seguir.

Ao que parece, as grandes potências e a própria OTAN implementam uma política de padrões duplos que revela-se equivocada.

Os Estados Unidos seguem a linha de responsabilizar unicamente a Rússia na crise com a Ucrânia com o objetivo explícito de transformar Moscou no inimigo número um do mundo.

De forma contraditória, ignoram o que acontece com os civis no Leste da Ucrânia, vítimas de armamentos proibidos em todo o mundo ao mesmo tempo em que atacam dura e permanentemente o regime sírio, pelos mesmos motivos.

Da mesma forma, os apelos de Washington à reconciliação dos partidos na Ucrânia são feitos ao mesmo tempo em que abastecem com armas os militares ucranianos e estimulam o fortalecimento dos grupos mercenários para as guerras em Donetsk e Lugansk.

No entanto, Estados Unidos e OTAN mantém as críticas constantes à Rússia de dar suporte aos rebeldes no sudeste da Ucrânia, ainda que não haja evidências.

Não é novidade alguma que o Ocidente historicamente recorre à fabricação de eventos de acordo com sua conveniência. Um exemplo mais recente diz respeito à derrubada do Boeing malásio.

Além disso, não podemos esquecer que em relação à crise ucraniana é válida a analogia com as ações cometidas no Kosovo. Em 2008, os Estados Unidos saíram em defesa da autodeterminação dos povos e reconheceram a República.

Agora, diante dos fatos na Ucrânia, jogam na lixeira a coerência e apelam ao principio da inviolabilidade territorial ou de fronteiras.

Marcelo Rech é jornalista, especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa, Terrorismo e Contra-insurgência, Direitos Humanos nos Conflitos Armados, e diretor do Instituto InfoRel de Relações Internacionais e Defesa. E-mail: inforel@inforel.org.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *