Brasília, 17 de novembro de 2018 - 14h17

A Guerra contra a Imigração Ilegal

21 de julho de 2010
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

André Luís Woloszyn



 



Um dos grandes desafios da agenda internacional é sem dúvida a questão do recrudescimento da imigração ilegal, principalmente oriunda do continente africano e América Latina, fenômeno que vem ocorrendo desde o término da Guerra Fria em países da União Européia como a Alemanha, Espanha, Portugal, França, Itália e Inglaterra, na África do Sul e nos EUA.



 



No caso da EU, o processo teve início na década de 90 com grandes migrações de cidadãos de países da extinta União Soviética, notadamente da Romênia e Iugoslávia e, posteriormente da Europa Oriental como a Polônia, em busca de melhores condições de trabalho e estabilidade econômica.



 



Passados 20 anos a situação se deteriorou com a sobrecarga nos serviços públicos destes países como a saúde e a  educação com reflexos diretos na segurança uma vez que a redução dos postos de trabalho, incluindo os temporários, criava condições para o aumento da violência e da criminalidade.



 



O problema já é encarado por especialistas como uma nova crise global. Estimativas apontam para uma população de 500 mil imigrantes/ano que entram na EU de forma ilegal.



 



Na África do Sul, há cerca de 5 milhões de refugiados oriundos do Zimbábue e de Moçambique, países com histórico de conflitos bélicos e com significativa parcela de suas populações  vivendo abaixo da linha da pobreza,  ou seja, com menos de um dólar/dia.



 



Inicialmente a questão da imigração ilegal estava ligada exclusivamente aos novos paradigmas da violência com o surgimento do novo terrorismo internacional (de cunho religioso e radical), o narcotráfico, a proliferação de armas de destruição massiva, as gangues transnacionais envolvidas em conflitos de baixa intensidade e o estabelecimento de redes complexas do crime organizado.



 



Pesava o fato das dificuldades destas comunidades e dos governos dos países hospedeiros em inseri-las em programas sociais na expectativa de que adquirissem hábitos e incorporassem o idioma local, além do aspecto das crenças e religiões.



 



Agora, este contexto é acrescido pela pior crise econômica desde o término da Segunda Guerra Mundial, algo sem precedentes que está sendo encarado por economistas como a terceira recessão global – a primeira ocorreu em 1873 e a segunda em 1929-31 que atinge a todos indiscriminadamente em razão das economias globalizadas.



 



As maiores conseqüências desta crise são o desemprego e a recessão que envolve aquelas populações, determinando uma série de medidas governamentais de proteção, com relação a oportunidades de trabalho, a maioria destas, de caráter discriminatório, o que só contribui para uma maior segregação e fomento de ódios raciais.



 



A União Européia, composta por 27 países membros, iniciou suas medidas de proteção com a aprovação da Diretriz de Retorno, a qual permite a expulsão sumária de ilegais, e outras sansões como deportação e banimento, além da suspensão de benefícios sociais, o que deverá atingir cerca de 700 mil brasileiros.



 



Na Alemanha e Reino Unido, as autoridades instituíram uma prova escrita como condição para o fornecimento de vistos de permanência para não europeus. A Espanha deverá adotar um auxílio financeiro para que imigrantes deixem o país e na Itália, a imigração ilegal é crime com previsão penal de 18 meses de prisão.



 



Nos EUA, mais precisamente no estado do Arizona, estas medidas foram consideradas extremas à medida que determinava à autoridade policial a detenção de pessoas, suspeitas de estarem ilegalmente no país, identificadas pelo tipo físico, principalmente mexicanos, além da criação de um disque-denúncia a disposição dos cidadãos para prestarem informações às autoridades objetivando a prisão de ilegais e criminalizando tal conduta.



 



Esta ação governamental tem tido o apoio de parte da opinião pública de outros estados norte americanos como o de Massachussets que pretende adotar táticas  semelhantes para frear a crise do desemprego.



 



Neste quadro, dentro da famosa tese de que “a história é cíclica”, a tendência é o retorno das nações a um estado de nacionalismo protecionista visto apenas quando da bipolaridade entre ideologias capitalistas ou socialistas.



 



A diferença, hoje, recai nas questões econômicas, o que talvez seja mais preocupante, pois deixa o campo do pensamento filosófico e da política para se transformar em uma questão de sobrevivência.



 



André Luís Woloszyn, Analista de Inteligência Estratégica, diplomado pela Escola Superior de Guerra, especialista em Ciências Penais e em Terrorismo. E-mail: andre.woloszyn@terra.com.br

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...