Brasília, 18 de novembro de 2018 - 11h26
A Guerra Fria como pano de fundo na crise venezuelana

A Guerra Fria como pano de fundo na crise venezuelana

21 de agosto de 2017
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
Marcelo Rech

Desde 2011, assistimos a retomada de uma “Guerra Fria” em torno do conflito na Síria que coloca em lados opostos os eixos euro-americano-saudita-sunita e sino-soviético-iraniano-xiita. Com o propósito de protegerem suas áreas de influência na forma de verdadeiros protetorados, Moscou e Washington sustentam, cada um à sua maneira, uma guerra que já cobrou mais de um milhão de vidas.

Também podemos debitar na conta das estratégias geopolíticas, o fato de terroristas e mercenários serem patrocinados pelo diversos lados do problema. A Síria tornou-se o ator preponderante nesta nova edição da Guerra Fria entre Rússia e Estados Unidos.

Transportemos o exemplo para a América Latina, mais especificamente para a Venezuela. Guardadas as devidas proporções, observamos os principais atores envolvidos no conflito sírio, também em lados opostos na crise venezuelana. O que difere são as razões e nenhma delas tem fundo ideológico.

China e Rússia são contrárias à queda do regime e criticam as sanções aplicadas pelos Estados Unidos. Os dois países investiram bilhões de dólares em projetos estratégicos na Venezuela e não querem perdê-los.

Enquanto Maduro ganha tempo e torce para que o preço do patróleo volte a patamares estratosféricos, Pequim e Moscou estão de olho nos recursos que colocaram no país e na importância estratégica de se posicionarem em uma região que sempre foi área de influência norte-americana.

Em 2009, o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, confirmou que o país desenvolve um projeto nuclear civil com apoio da Rússia, que concedeu ao governo venezuelano um crédito de US$ 2,2 bilhões para a compra de armamentos. Nos últimos anos, a Venezuela comprou equipamento militar russo, como 24 caças-bombardeiros Sukhoi-30, 50 helicópteros MI-17, M-26 e M-35 e 100 mil fuzis AK 47, por cerca de US$ 3 bilhões.

O novo arsenal inclui 92 tanques T-72 e "um poderoso sistema antiaéreo" com um número não revelado de foguetes "reativos". A Venezuela teria aina cinco mil mísseis SA-24 do tipo sistema de defesa aérea de uso portátil (MANPADS, na sigla em inglês), também conhecidos como Igla-S.

Há também especulações em torno de uma base militar russa na Venezuela. O complexo seria construído em Puerto Cabello, no litoral norte do país, onde está instalada a Base Agustín Armario, a maior da Marinha venezuelana.

Já em 2016, Rússia e Venezuela firmaram um acordo de investimento de US$ 500 milhões adicionais para exploração e produção de petróleo e gás nos campos da Faixa Petrolífera do Orinoco, região que tem uma das maiores reservas mundiais de hidrocarbonetos, com área de 55.314 km², dos quais 11.593 km² só para exploração. O aporte adicional é parte de um entendimento firmado em maio do ano passado, que prevê investimentos de US$ 14 bilhões de dólares da Rússia na Venezuela nos próximos anos.

Já a China emprestou mais de US$ 60 bilhões à Venezuela, sendo a maior parte dessa quantia paga com a entrega de petróleo. Pouco se sabe a respeito desses acordos que não passaram pelo crivo da Assembleia Nacional, mas as evidências de que preveem privilégios para empresas chinesas em setores-chave da economia venezuelana, como transporte, telecomunicações, energia, entre outros, é cristalina.

No entanto, Pequim não abandona o pragmatismo e desde 2016, o governo chinês mantém diálogo informal com membros importantes da oposição venezuelana, o que revela que a China considera bastante provável o colapso do regime. Para piorar o cenário, a Venezuela deve mais de três milhões de barris de petróleo à China.

No último domingo, 30, o regime bolivariano promoveu eleições para a conformação de uma Assembleia Nacional Constituinte e menos de 24h depois, ordenou a prisão de vários líderes políticos de oposição, incluindo Leopoldo López e Antonio Ledezma que já cumpriam penas domiciliares.

Embora publicamente ainda respaldem o regime, tanto Moscou como Pequim consideram essas ações desnecessárias e gostariam de ver um pouco mais de boa-vontade por parte de Maduro para buscar uma solução dialogada. Ninguém sabe o que restará do país se a Venezuela mergulhar em uma guerra civil.

Apesar de todos os apelos, Nicolás Maduro levou adiante o seu projeto de poder que logrou eleger importantes líderes do chavismo como o ex-vice-presidente Aristóbulo Istúriz, o ex-presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e a ex-chanceler Delcy Rodríguez, além de Cília Flores, esposa do líder venezuelano e por ele apelidada de “Primeira Combatente” e o filho Nicolasito.

Em comum, todos são radicais e sinalizam o endurecimento do regime, o que significa pôr mais lenha na fogueira. Trata-se de uma situação que incomoda especialmente a China que prefere a estabilidade política nos países onde atua com força e onde põe muito dinheiro.

Marcelo Rech é jornalista e analista no Instituto InfoRel de Relações Internacionais e Defesa. E-mail: inforel@inforel.org.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...