Destaque

Brasil e Chile aprofundarão cooperação em diálogo político-militar
08/08/2018
Aprovada Moção de Solidariedade à brasileira assassinada na Nicarágua
08/08/2018

“A paz na Síria deve ser alcançada sem interferências externas”, afirma presidente da CREDN

Brasília – “A paz na Síria deve ser alcançada sem interferências externas”, afirmou o presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados, Nilson Pinto (PSDB-PA) que se reuniu nesta quarta-feira, 8, com o Embaixador sírio no Brasil, Mohamad Khafif.

O diplomata agradeceu a solidariedade expressada pelo governo brasileiro em defesa da paz naquele país e afirmou que o processo de reconstrução da Síria já teve início. Mohamad Khafif revelou ainda que a Assembleia do Povo criou recentemente uma frente parlamentar para apoiar as relações com o Brasil. “As relações são muito boas, mas têm potencial para crescerem muito mais, especialmente em termos econômicos e políticos”, afirmou.

Em maio de 2017, o ministério dos Negócios Estrangeiros e Expatriados da Síria convidou o Brasil a participar da 59ª edição da Feira Internacional de Damasco (FID), realizada entre 17 e 26 de agosto. Participaram do evento trinta países. A 60ª edição da FID ocorrerá no período de 6 a 15 de setembro de 2018.

O governo ofereceu um stand gratuito para o Brasil. Três empresas já teriam confirmado participação. O governo sírio organizou, igualmente, entre os dias 19 e 23 de setembro de 2017, a feira “Rebuild Syria”, com ênfase na comercialização de bens de capital e de serviços de engenharia e construção civil. A quarta edição do evento deverá ocorrer entre 2 e 6 de outubro de 2018.

De acordo com Mohamad Khafif, “a Síria tem conseguido caminhar para a estabilidade com a recuperação de 90% do território antes ocupado por terroristas. No nosso país não há uma guerra civil ou sectária. Somos vítimas de uma campanha midiática enganosa”, explicou. Ele disse ainda que o governo está discutindo um processo de reconciliação com anistia para todos os que depuserem as armas.

“Nós estamos esperançosos que a guerra travada na Síria chegue a bom termo, com paz e desenvolvimento para o seu povo. E isso deve ser conquistado pelos sírios sem ingerência de outros atores”, reiterou Nilson Pinto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *