Brasília, 13 de novembro de 2018 - 01h43

A UNILA e vizinhos desconhecidos

25 de janeiro de 2010
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Bruno Peron



No dia 12 de janeiro, Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o projeto de lei de sua própria autoria em prol da construção da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA).



A cerimônia ocorreu no Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília, Distrito Federal.



O presidente assinou o documento em dezembro de 2007, mas este só foi aprovado dois anos depois pelo Congresso Nacional.



A universidade funcionará provisoriamente em espaço cedido pela usina hidrelétrica de Itaipu em Foz do Iguaçu, cuja cidade fica no estado do Paraná e faz fronteira com Argentina e Paraguai. Zona turística e emblemática do encontro entre países vizinhos.



Embora as instalações iniciais sejam temporárias, a Itaipu Binacional doou uma área de quase 40 hectares para a construção da universidade.



A concretização da idéia caminha muito mais rápido que o tempo que levou sua aprovação, uma vez que a previsão de início de turmas é para o segundo semestre de 2010.



A previsão é de incorporar dez mil estudantes em cinco anos cuja formação se enquadre dentro de um projeto de integração latino-americana.



Algumas das ofertas de cursos de graduação serão: Sociedade, Estado e Política na América Latina; Relações Internacionais e Integração Regional; Comunicação, Poder e Mídias Digitais; Tecnologia e Engenharia das Energias Renováveis; Gestão Integrada de Recursos Hídricos; Interculturalidade e Integração.



Estas propostas interdisciplinares respondem a um contexto de integração e, pela seleção dos temas, é improvável que sejam alvos da modalidade de ensino a distância, que inibe a proximidade e o debate numa sala de aula.



A criação desta instituição de ensino superior é produto de um fôlego secular. O murmúrio da integração não se pode ouvir até que alguém levante o tom da voz.



O cenário é curioso: um livro importado da península Ibérica pode custar mais barato que um similar de país vizinho; há dezenas de canais de televisão por cabo de conteúdo estadunidense nos pacotes ofertados no Brasil, alguns sem dublagem ou legenda, porém nenhum da Argentina, Paraguai ou Venezuela. A proposta de Lula justifica que, nalguns setores do desenvolvimento, a integração aproxima os povos da América Latina.



A UNILA é uma novidade na categoria porque, apesar do financiamento federal brasileiro e da localização do prédio no lado de cá, as aulas serão em espanhol e português, 50% dos professores serão brasileiros e a outra metade provirá dos países da região, 250 professores serão efetivos e outros 250, visitantes.



O reconhecimento das diferenças expande a nossa capacidade de auto-conhecimento e consciência de lugar no mundo.



Algum dia a ficha dos nossos governantes teria que cair. Uma ficha que não tivesse inscrito cents, dollars ou euros. Destas já estamos fartos.



O presidente brasileiro atingiu, ao longo das duas gestões, um recorde nacional com a criação de treze universidades federais, o que ultrapassa a cifra anterior alcançada por Juscelino Kubitschek de dez instituições. A educação tem sido tema de destaque nas discussões nacionais.



Lula ainda propôs, para esquentar o tema da integração, um parlamento comum e uma moeda única entre os países da região do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL).



O cenário de crise econômica mundial, desvalorização do dólar e intervenção impudente dos Estados Unidos na América Latina (acordo de uso de bases militares na Colômbia, apoio tácito ao golpe militar em Honduras e envio de tropas militares abundantes em vez de médicos ao Haiti) favorecem estas propostas.



As conquistas no âmbito da educação e da integração são visíveis, embora o Brasil derrube lágrimas do outro olho quando limpa a que caiu do primeiro.



Uma conquista costuma encobrir uma mazela na proporção de um para um.



O mérito maior do episódio é o de aliar avanços na expansão de universidades públicas a projetos de integração regional. Somos vizinhos que mal nos conhecemos.



Bruno Peron é mestre em Estudos Latino-americanos pela UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México), bacharel em Relações Internacionais pela UNESP (Universidade Estadual Paulista). Contato: brunopl@terra.com.br.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...