Brasília, 18 de julho de 2019 - 02h54

Refugiados

17 de fevereiro de 2014 - 15:08:00
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - O Alto Comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, pediu nesta quinta-feira. 13, aos países da América Latina e do Caribe que liderem a defesa da causa dos refugiados e dos deslocados por conflitos e pela violência na região.



Segundo ele, "a América Latina e o Caribe devem continuar expandindo sua forte tradição de refúgio e de inovação, estabelecendo elevados padrões de proteção e encontrando soluções sustentáveis para as pessoas afetadas por anos de conflito, perseguições e abusos dos direitos humanos", disse Guterres, durante reunião com embaixadores da região, em Genebra.



De acordo com o ACNUR, o encontro deu início às comemorações pelo 30º aniversário da Declaração de Cartagena (conhecido como Cartagena +30).



As comemorações, que incluem uma série de encontros regionais de países e representantes da sociedade civil, serão concluídas com uma reunião a nível ministerial em dezembro de 2014, em Brasília, na qual se espera que os países latino-americanos e caribenhos adotem uma Declaração e um Plano de Ação para fortalecer a proteção de refugiados e outras populações deslocadas na região durante a próxima década.



Desenvolvida como uma resposta aos conflitos da América Central ocorridos nos anos 80, a Declaração de Cartagena foi assinada em 1984 como um instrumento regional fundamentado na longa e generosa prática de conceder refúgio às pessoas em necessidade de proteção.



"Estou muito confiante que os países da região combinarão esforços para assegurar o bem estar e a segurança das pessoas em movimentos migratórios mistos, especialmente mulheres e crianças. A América Latina e o Caribe mostrarão, uma vez mais, liderança no enfrentamento das necessidades de proteção de indivíduos e famílias", afirmou o chefe do ACNUR.



As discussões que ocorrerão no marco do processo de Cartagena +30 ajudarão os países a se comprometerem com a erradicação da apatridia na região em 2024 e consolidar a Programa de Reassentamento Solidário da América Latina, que beneficia refugiados da região e de outras partes do mundo.