Brasília, 17 de novembro de 2018 - 14h20

Acordo militar: cai a máscara

20 de novembro de 2009
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech



O polêmico acordo militar firmado no dia 30 de outubro pelos governos da Colômbia e dos Estados Unidos está voltado convenientemente para o monitoramento da América do Sul.



Os interesses e ambições dos Estados Unidos balizam os países da região como amigos ou inimigos.



Fincar pé em sete bases militares com pessoal e equipamentos significa poder atuar quando julgar necessário.



Embora os Estados Unidos digam o contrário, o acordo pretende intimidar os que insistem em se opor aos seus objetivos.



Sem a renovação do acordo que lhe permitia usar para tais objetivos a base de Manta, no Equador, os Estados Unidos buscou um parceiro confiável onde pudesse criar raízes sem ser importunado.



Preocupado com o congelamento do acordo de livre comércio entre o seu país e a maior potência econômica e militar do planeta, Álvaro Uribe fez o que considerou uma troca justa.



Abre o país definitivamente para os militares dos Estados Unidos e ganha seu TLC.



A União das Nações Sul-Americanas (Unasul) até que ensaiou uma pressão, mas como grande parte dos mecanismos regionais, encolheu-se e calou.



A Venezuela reagiu. Hugo Chávez colocou o país em prontidão.



Para muitos, um chamado à guerra. Para outros, uma forma de desviar as atenções dos venezuelanos por conta das dificuldades internas.



A Venezuela é o grande foco dessa mobilização e uma ação mais contundente de Chávez será suficiente para que os Estados Unidos intervenham.



O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou garantias por escrito de Uribe e Obama. Não as recebeu. Não vai insistir. Não quer problemas com seus aliados à direita.



Já o Exército brasileiro mantém em sua doutrina a preocupação com as ações dos Estados Unidos na região.



A instituição entende que há razões para se desconfiar dos norte-americanos presentes na Colômbia dada a proximidade com a Amazônia brasileira, cobiçada pelas grandes potências de forma explícita.



De fato, desde 2002 com a implementação do Plano Colômbia, os militares norte-americanos se fazem presentes na Amazônia.



Os fatos revelados antes e após a assinatura do acordo militar mostram que os Estados Unidos não estão alheios ao que ocorre na região.



Embora continuem tratando a América Latina como seu quintal, deixam transparecer que certas atitudes de governantes como Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa e Daniel Ortega, começam a irritar.



E não podemos esquecer a reativação da IV Frota da Marinha dos Estados Unidos que a pretexto de ajuda humanitária, voltou a atuar em nossas costas.



Outro detalhe importante: aos Estados Unidos não interessa que nenhum projeto de integração regional seja exitoso.



Mercosul, Unasul, Conselho Sul-Americano de Defesa....não interessa. Se for algo em que não possam colocar as patas, é melhor que não existam.



Na prática, é isso que ocorre.



As tensões entre Bogotá e Caracas, entre Lima e Santiago, entre Buenos Aires e Brasília, entre Brasília e Assunção, todas cumprem fielmente o que se espera nos Estados Unidos de uma zona tratada com desprezo arrogante e friamente medido.



O acordo militar deveria representar para a América Latina como um todo e para a América do Sul em especial, uma oportunidade de integração e fortalecimento.



Do contrário, vamos continuar desempenhando papéis secundários nas decisões que nos acometem.



Quanto mais nos desentendemos, melhor para eles.



Marcelo Rech, 38, é jornalista com pós-graduação em Relações Internacionais e especialização em Estratégias e Políticas de Defesa. Correio eletrônico: inforel@inforel.org

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...