Brasília, 22 de fevereiro de 2019 - 04h27

Congresso Nacional

28 de setembro de 2005
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
Numa votação emocionante depois de empate no 1º turno em 182 votos, o deputado federal Aldo Rebelo [PCdoB-SP] foi eleito presidente da Câmara dos Deputados para completar a legislatura que termina em fevereiro de 2006.

Com 258 votos no segundo turno, ele ganha para o Partido Comunista do Brasil, a presidência da Câmara pela primeira vez e se torna o terceiro na hierarquia polà­tica do paà­s.

José Thomaz Nonô [PFL-AL], candidato da oposição, recebeu 243 votos. No total, 509 dos 513 deputados participaram da eleição. Com isso, Aldo Rebelo recupera o comando da Câmara para o governo que apostou alto na sua candidatura, forçando o petista Arlindo Chinaglia, atual là­der do governo, a desistir do pleito.

Rebelo que foi là­der do governo em 2003 e ministro da Coordenação Polà­tica até a algumas semanas, afirmou que sua eleição é fruto da esperança no restabelecimento da imagem da Câmara dos Deputados. Na sua opinião, a Câmara é uma instituição indispensável na construção de um novo paà­s.

Emocionado, Aldo Rebelo assumiu logo após a proclamação do resultado e agradeceu sua eleição, de forma especial, à  esposa Rita Polli e ao filho Pedro, que o acompanharam seu primeiro pronunciamento, onde ele fez questão de chamar todos os membros da Mesa e de agradecer aos deputados pela confiança.

“Eu creio que esta Casa é a célula principal da democracia, recuperando seu papel que contemple as expectativas do povo. O Brasil é um paà­s carregado de virtudes, mas também cheio de deformações e desequilà­brios. Cabe a essa Casa, abraçar as potencialidades e remover os obstáculos para que a sociedade seja mais justa, mais democrática e mais igual”, afirmou.

Em nota, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cumprimentou seu ex-ministro e um dos mais fiéis aliados que teve nestes pouco mais de 33 meses de gestão.

"Quero cumprimentar o novo Presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo, e reiterar o meu respeito pela decisão soberana dessa Casa. Estou seguro de que continuaremos a manter – Legislativo e Executivo – um diálogo independente, construtivo e respeitoso, sempre voltado ao legà­timo interesse da sociedade e ao aperfeiçoamento das instituições democráticas brasileiras", diz a nota assinada pelo presidente.