Agenda

Brasil defende diálogo do Irã com agência atômica
19/02/2010
Afeganistão: oito anos de Guerra – Resultados e Pe
19/02/2010

Integração Regional

América Latina e Caribe unificam mecanismo de diálogo político

Nos dias 22 e 23, serão realizadas em Cancún, no México, a II Cúpula da América Latina e do Caribe (CALC) e a XXI Cúpula do Grupo do Rio.

 

De acordo com o governo brasileiro, a “Cúpula da Unidade da América Latina e do Caribe”, tratará de quatro temas: nova institucionalidade; integração regional; solidariedade com o Haiti; e desafios e oportunidades no contexto econômico atual.

 

Além disso, as mudanças climáticas também serão discutidas, pois o México sediará, em dezembro, a XVI Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

 

No entanto, o momento mais importante fica por conta do lançamento político de um novo mecanismo de diálogo que vai aglutinar todos os Estados da América Latina e do Caribe e incorporará as agendas e métodos de trabalho do Grupo do Rio e da CALC.

 

A CALC é uma proposta brasileira lançada em 2008.

 

“A criação desse novo mecanismo tenderá a fortalecer o diálogo político, a cooperação para o desenvolvimento e a integração regional como elementos centrais do relacionamento entre os países da América Latina e do Caribe”, afirmou o porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach.

 

Temas regionais

 

Ele informou ainda que nas respectivas cúpulas serão discutidas ações de solidariedade e de cooperação da América Latina e do Caribe para atender as necessidades de reconstrução do Haiti em bases sustentáveis.

 

Os chefes de Estado firmarão a Declaração de Cancún, que tratará dos temas econômicos e políticos, e a Declaração da Cúpula da Unidade, que discorrerá sobre o lançamento político do novo mecanismo de integração da América Latina e do Caribe.

 

Além destas, outras seis declarações especiais serão aprovadas: Declaração de Solidariedade com o Haiti; Declaração sobre o Bloqueio a Cuba; Declaração sobre as Ilhas Malvinas; Declaração Especial sobre Impunidade na Guatemala; Comunicado Especial sobre Cooperação em Imigração; e Declaração sobre o Convênio de Créditos Recíprocos (CCR), apresentada pelo Brasil.

 

 

México

 

Concluídas as cúpulas, o presidente Lula terá encontro bilateral com o colega mexicano Felipe Calderón. Juntos eles se reunirão com empresários brasileiros e mexicanos participantes do Foro Estratégico Empresarial.

 

Em agosto de 2009, os dois assumiram o compromisso de promover encontros anuais, sob a forma de visitas de trabalho.

 

Lula e Calderón pretendem lançar as negociações para um futuro acordo bilateral de livre comércio e vão tratar da ajuda ao Haiti e a normalização institucional de Honduras.

 

Está prevista a assinatura de um Memorando de Entendimento entre os dois países para a Prevenção e a Repressão do Tráfico de Migrantes e de Pessoas.

 

Cuba

 

No dia 24, Lula estará em Havana onde visitará as instalações do porto de Mariel que está sendo ampliado com recursos brasileiros da ordem de R$ 150 milhões.

 

Ainda na quarta-feira, se encontrará com Fidel Castro e no final da tarde participa do encerramento da reunião do Grupo de Trabalho Brasil-Cuba para Assuntos Econômicos e Comerciais.

 

À noite, Lula janta com o presidente Raúl Castro.

 

O intercâmbio comercial entre os dois países alcançou US$ 330 milhões em 2009. O Brasil tem um saldo é favorável de US$ 223 milhões.

 

Haiti

 

Na quinta-feira, 25, Lula embarca para Porto Príncipe. Depois de sobrevoar a capital haitiana, ele se reúne com as tropas brasileiras da Minustah e visita às instalações do Hospital de Campo da Força Aérea Brasileira (HCAMP).

 

Lula se reunirá ainda com o presidente do Haiti, René Préval, e com o primeiro-ministro, Jean-Max Bellerive.

 

O presidente esteve no Haiti em agosto de 2004 e maio de 2008.

 

“O governo entende que a parceria entre o Brasil e os demais países latino-americanos na Minustah é definitiva, e não apenas circunscrita à tragédia que se abateu sobre aquele país”, explicou Marcelo Baumbach.

 

El Salvador

 

Ainda no dia 25, o presidente segue para São Salvador onde janta com o presidente salvadorenho Maurício Funes. Os dois participam na sexta-feira, 26, do encerramento do Encontro Empresarial Brasil-El Salvador.

 

Eles devem acertar os detalhes para o empréstimo de US$ 300 milhões do BNDES para a renovação da frota de ônibus de El Salvador.

 

A cooperação no setor energético, com a produção de etanol, também é tema da agenda bilateral.

 

El Salvador é beneficiário da cooperação triangular no âmbito do Memorando de Entendimento entre Brasil-Estados Unidos sobre biocombustíveis e uma empresa brasileira atua no setor, naquele país.

 

Atualmente, o Brasil atua como observador do Sistema de Integração Centro-Americana (Sica) e pretende aderir ao Banco Centro-Americano de Integração Econômica (BCIE) e fazer avançar as negociações do acordo Mercosul – Sica.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *