Brasília, 19 de novembro de 2018 - 06h21

Ingerência

22 de janeiro de 2015
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech



Em 2008, as tensões entre Colômbia e Venezuela contribuíram para que fosse criada na região, a União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) e dentro dela, o Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS). Tais mecanismos puseram fim às tensões colombo-venezuelanas e mantiveram o foco no aprofundamento das relações militares com a geração de confiança.



Paralelamente, a América do Sul vem se consolidando como zona de paz, algo que indiretamente, teve sua partícula de contribuição para que o processo de paz na Colômbia fosse finalmente desatado. Trata-se do mais antigo conflito interno do mundo e não há dúvidas de que o seu prazo de validade está vencido há décadas.



No entanto, a região não se vê livre de problemas que podem envolvê-la em conflitos de caráter bélico. Narcotráfico, contrabando, tráfico de armas e de pessoas, enfim, há um corolário de problemas inerentes a todos os países da região.



Quando Álvaro Uribe era o presidente colombiano, os Estados Unidos fecharam um acordo – Plano Colômbia – que aplicou milhões de dólares naquele país. Tudo para pôr fim pela via militar, às guerrilhas das FARC e ELN.



De fato, o Plano Colômbia foi responsável pelos principais golpes aplicados contra essas organizações narcoterroristas. Foi na gestão de Uribe que as FARC cambalearam.



Hoje, esse apoio é muito menor embora a aliança entre Bogotá e Washington seja mantida no mais alto nível. Em dezembro, John Kerry foi à Casa de Nariño para ouvir do presidente Juan Manuel Santos e de seus negociadores, como avança o diálogo de paz levado a cabo em Havana.



Os Estados Unidos não ignoram o que se passa na região embora deem a ela um tratamento muito distante do mínimo necessário, inclusive em relação ao respeito à soberania dos Estados.



Igualmente, não é novidade que a presença militar norte-americana na região é algo contundente e torna-se uma ameaça real para o envolvimento dos países sul-americanos em conflitos extrarregionais. O alinhamento com os Estados Unidos cobra um preço alto.



O exemplo mais recente no hemisfério diz respeito ao Canadá que se viu vítima de ataques de extremistas do Estado Islâmico.



A presença militar norte-americana na América do Sul precisa ser refletida à luz dos fatos e não das especulações. Existe essa presença e ela é aceita por vários dos países. No passado, nasciam dali os golpes que derrubaram governos legitimamente eleitos.



Um caso mais próximo desta realidade seria a Venezuela. As tensões entre ambos os países tem subido e não é segredo que Washington apoia a oposição contra o regime chavista.



Esta presença poderia sugerir a violação da soberania desses países, mas isso é questionável na medida em que há relativa aceitação deste papel por parte dos Estados Unidos. Recordo-me de quando o Equador decidiu cancelar o acordo para uso da Base Aérea Militar de Manta pelos norte-americanos.



Não foram poucos os países latino-americanos que se ofereceram para receber novas bases militares norte-americanas.



Obviamente, esta presença agrega a CIA, uma vez que todo objetivo militar guarda um propósito político. Para que tais objetivos sejam alcançados, vale inventar arsenais de armas de destruição em massa, espionagem em escala industrial e ingerência explícita em assuntos internos de terceiros.



Além disso, atuam para contaminar relações como aquelas que dizem respeito aos interesses da União Europeia, da Rússia e da China, por exemplo.



Marcelo Rech é jornalista, especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa, Terrorismo e Contra-insurgência, Direitos Humanos nos Conflitos Armados, e diretor do Instituto InfoRel de Relações Internacionais e Defesa. E-mail: inforel@inforel.org.


Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...