Brasília, 20 de novembro de 2019 - 09h22
AMERIPOL promovo curso internacional sobre terrorismo global

AMERIPOL promovo curso internacional sobre terrorismo global

17 de outubro de 2019 - 10:42:32
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - Entre os dias 8 e 11 de outubro, foi realizado em Curitiba, o I Curso Internacional sobre Investigação de Delitos Relacionados ao Terrorismo Global. Promovido pelo projeto da União Europeia na AMERIPOL, em conjunto com a Polícia Federal e a Assessoria Internacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a capacitação contou com especialistas de entidades policiais e de procuradorias do Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Espanha, Equador, Paraguai, Peru, República Dominicana e União Europeia. A Secretaria Executiva da Comunidade das Polícias das Américas (AMERIPOL) é exercida, atualmente, pela Polícia Federal brasileira.

O Secretário-Executivo do Ministério da Justiça, Luiz Pontel, fez referência à assinatura do acordo de Buenos Aires, na cidade de Quito, como o caminho apropriado para a institucionalização da AMERIPOL e destacou a importância da instituição para a formação de equipes conjuntas de investigação, com objetivo concreto de combater a criminalidade transnacional na região.

Já o Diretor-Geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, relembrou a Operação Hashtag, investigação deflagrada oficialmente em julho de 2016, às vésperas dos Jogos Olímpicos do Rio contra uma suposta célula do grupo terrorista Estado Islâmico. Segundo a chefe da cooperação da Delegação da União Europeia no Brasil, Ana Beatriz Martins, a estratégia contra o terror na Europa ocorre desde 2005, em especial, por meio do controle das fronteiras e do tráfico de armas. A representante europeia ressaltou a importância da comunidade em fortalecer a AMERIPOL.

Durante o curso foram abordados temas como a coordenação de investigações em matéria antiterrorista, a situação geral do terrorismo Jihadista na Europa, os mecanismos de avaliação da ameaça terrorista, o financiamento desse delito, a lei de extinção de domínio e os trabalhos realizados na Tríplice Fronteira Argentina, Brasil, Paraguai.

O Ministério da Justiça informou que o curso foi desenvolvido em virtude de o terrorismo global ser uma das principais ameaças identificadas pelo relatório da Europol. Em 2015, a União Europeia registrou o maior número de mortes causadas por ataques terroristas desde os atentados de Madri de 2004.

Na América Latina, os ataques dos anos 90 contra a Embaixada de Israel na Argentina e o bombardeio da  Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) contribuíram para uma mudança de atitude por parte dos governos, relacionando o delito a uma ameaça real. Ademais, apesar das distâncias geográficas e culturais, os relatórios de inteligência estatais apontam para a existência de mecanismos de atração de simpatizantes estrangeiros provenientes da região sul-americana.

O Chefe do “Projeto de Suporte à AMERIPOL” da  União Europeia, Marcos Alvar, ressaltou a importância que o Brasil  tem dado para a institucionalização, congratulando o envio do oficial de ligação da Polícia Federal, Adriano Barbosa, à sede do Organismo em Bogotá, quem será responsável pelos trabalhos do Secretariado Executivo, hoje a cargo do Brasil.

O evento foi finalizado com a elaboração de um protocolo de coordenação de investigação sobre delitos terroristas. Recentemente, o protocolo de coordenação de investigações sobre drogas da AMERIPOL foi utilizado em uma das investigações mais importantes levadas a cabo contra o doping no ciclismo entre a entidade e a polícia Nacional da Espanha.

AMERIPOL

A Comunidade Policial das Américas ou AMERIPOL é um mecanismo hemisférico de organização policial de cooperação criado em 2007, cujo objetivo é promover e aprimorar a cooperação policial em termos de fatos técnico-científicos, treinamento, intercâmbio de informações para fins de inteligência  e apoio à assistência jurídica, com o objeto de orientar o trabalho estratégico e operacional contra ameaças à segurança pública e cidadã.