Mundo

Geopolítica
18/10/2016
Infraestrutura
18/10/2016

Integração Regional

Argentina e Chile querem impulsionar a construção de túnel binacional

Brasília – O ministro da Fazenda e Finanças da Argentina, Alfonso Prat-Gay, está no Chile para discutir como impulsionar a construção do túnel binacional Paso de Água Negra, em San Juan, obra que tem um custo estimado de US$ 1,6 bilhão e será financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Trata-se de um dos empreendimentos mais importantes para o governo argentino.

A construção do túnel internacional permitirá que a Argentina possa escoar sua produção via Pacífico alcançando o tão cobiçado mercado da Ásia. Para tanto, Prat-Gay se reunirá com os ministros chilenos de Obras Públicas, Alberto Undurraga Vicuña, e da Fazenda, Rodrigo Valdés.

Na oportunidade, eles assistirão ao início do Processo de Pré-Qualificação para o Desenho e Construção do Túnel Internacional Paso de Água Negra, uma obra que irá melhorar significativamente a integração entre os dois países através das províncias de San Juan, na Argentina, e Coquimbo, no Chile.

De acordo com Prat-Gay, “a infraestrutura é um dos eixos centrais do nosso programa econômico e um objetivo prioritário do governo do presidente Mauricio Macri”.

O túnel Água Negra começou a ser elaborado em 1996 e é parte central de um projeto mais amplo que é o Corredor Bioceânico Porto Alegre – Coquimbo, que pretende tornar mais eficaz a integração econômica entre Argentina, Brasil e Chile. A área de influência direta do corredor aportaria um total aproximado de US$ 252 bilhões do PIB regional entre os três países.

Além disso, o túnel fortalecerá a geração de cadeias produtivas com importante demanda de mão-de-obra permitindo incorporar produtos com uma elevada proporção de valor agregado em direção aos mercados emergentes.

O governo argentino acredita ainda que o setor exportador produtivo dos países do MERCOSUL será beneficiado por dispor de uma conexão alternativa para melhorar as suas possibilidades de comércio com países do Pacífico, com custos menores e maior competitividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *