Defesa

Impasse
16/12/2011
Argentina pressiona Uruguai contra Reino Unido por
16/12/2011

Aviões chineses vão combater narcotráfico na Bolív

Aviões chineses vão combater narcotráfico na Bolívia

Brasília – O governo da Bolívia utilizará aviões K-8/Karakorum de fabricação chinesa nas operações de combate ao narcotráfico realizadas pela Força Aérea Boliviana (FAB). O K-8 atuará no oriente do país em missões de reconhecimento, interceptação e combate ar-ar e terra-ar.

Ao mesmo tempo, La Paz trabalha para aprovar a Lei do Tiro de Destruição que permitirá a derrubada de aeronaves ilegais.

Além das operações diretas de combate ao narcotráfico, as aeronaves chinesas também farão o controle do espaço aéreo para neutralizar o contrabando. Essas operações serão realizadas com o Comando Conjunto do Altiplano.

De acordo com a FAB, as missões do K-8 serão completadas por um sistema de radares que ainda serão adquiridos pela Bolívia. Até lá, o país utilizará o sistema implementado pelo Brasil para a detecção de aeronaves que realizam vôos ilegais na fronteira.

O K-8 porta dois canhões de 23 milímetros, 12 foguetes de 57 milímetros e bombas de 6, 11.5, 50 e 250 quilogramas. A aeronave alcança 432 nós de velocidade e tem capacidade para chegar aos 39.370 pés de altura.

Indústria de defesa

O governo boliviano informou que a Corporação das Forças Armadas para o Desenvolvimento Nacional (Cofadena), ficará responsável pela confecção anual de 100 mil uniformes e pares de coturnos para as unidades militares bolivianas em 2012.

Para tanto, serão investidos US$ 2,3 milhões de dólares. Apenas com os uniformes camuflados, serão gastos US$ 1,5 milhão.

Além disso, os militares trabalham para desenvolver uma linha de roupas especiais para as Forças Armadas e munições que permitirá dispor de matéria-prima e material para a fabricação de munição de guerra calibre 752 por 51 milímetros.

Participam desse esforço a Fábrica Nacional de Explosivos (Fanexa), a Fábrica Nacional Automotriz (Enauto) e a Fábrica Boliviana de Munições. A Fanexa já exporta e está entre as 100 principais da Bolívia.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *