Brasília, 01 de outubro de 2020 - 12h02
Banco Mundial e FMI pedem moratória para dívidas dos mais pobres

Banco Mundial e FMI pedem moratória para dívidas dos mais pobres

03 de abril de 2020 - 12:50:38
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) pediram ao G-20, o grupo dos países mais ricos, uma moratória imediata das dívidas dos países mais pobres, devido à pandemia de coronavirus. Além disso, o Banco Mundial prepara um pacote de US$ 160 bilhões de ajuda a esses países.

As duas instituições coincidem em que a pandeia “provavelmente terá graves consequências econômicas e sociais para os países clientes da Associação Internacional de Fomento (AIF, vinculada ao Banco Mundial), integrada pela quarta parte da população mundial e duas terceiras partes das pessoas que vivem na extrema pobreza”.

“Com efeito imediato, e de conformidade com as leis nacionais dos países credores, o Grupo Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional exortam a todos os credores bilaterais oficiais a suspender os pagamentos das dívidas dos países clientes da AIF que solicitem um período de carência”, diz o comunicado conjunto das duas entidades.

A proposta pretende dar condições para que os países menos estruturados possam responder aos desafios e necessidades imediatas de liquidez para combater o coronavirus.

“Convidamos os líderes do G-20 a encomendar junto ao Banco Mundial e ao FMI a tarefa de levar adiante estas avaliações, o que inclui determinar que países se encontram em uma situação de endividamento insustentável, e elaborar uma proposta com medidas integrais para que os credores possam abordar tanto as necessidades de financiamento como de alívio da dívida”, destacam.  

As duas entidades buscarão a aprovação desta proposta nas reuniões do Comitê para o Desenvolvimento que será realizada por videoconferência, nos dias 16 e 17 de abril. A ideia é construir uma sensação global de alívio para os países em desenvolvimento. No dia 17 de março, o Banco Mundial aprovou um pacote de US$ 14 bilhões destinado principalmente ao enfrentamento dos efeitos sanitários e sociais imediatos da pandemia.