Política
11/10/2013
Cooperação em Defesa: a Rússia aposta no seu armam
14/10/2013

BIRD afirma que palestinos perdem US$ 3,4 bi com r

BIRD afirma que palestinos perdem US$ 3,4 bi com restrição de terras

Brasília – Estudo do Banco Mundial (BIRD) divulgado nesta terça-feira, 8, mostra que que os palestinos perdem cerca de US$ 3,4 bilhões com restrições de terras, valor corresponde ao prejuízo anual da economia pela falta de acesso ao uso de 61% do solo da Cisjordânia.

De acordo com o estudo, a maior parte do solo é agriculturável ou rico em recursos naturais. Chamada de Área C, estas terras formam uma faixa contínua que conecta 227 áreas menores e altamente habitadas, diz o documento.

Segundo Mariam Sherman, diretora do BIRD para a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, “as áreas urbanas densamente populosas na Cisjordânia geralmente chamam mais atenção, mas liberar o potencial desta ‘área restrita´, cujo acesso está atualmente controlado por inúmeras restrições, e permitir aos palestinos trabalharem com estes recursos, abriria atividades econômicas inteiramente novas e colocaria a economia no caminho de um crescimento sustentável”.

Além disso, o estudo aponta que a utilização da Área C para atividades econômicas teria um alto impacto no desenvolvimento de negócios relacionados à agricultura, à exploração de minérios no Mar Morto, extração e mineração de rochas, construção, turismo e telecomunicações. Outros setores também seriam beneficiados pelas melhorias na qualidade e nos custos de infraestrutura e pelo aumento da demanda de bens e serviços.

Fontes do Banco Mundial lembram que, segundo os acordos de Oslo, de 1993, a Área C deveria ter sido transferida gradualmente para a Palestina até 1998, o que nunca aconteceu.

Na avaliação do banco, a Palestina necessita um crescimento anual de 6% para absorver novos trabalhadores e reduzir a alta taxa de desemprego entre os jovens.

O relatório aponta que “a economia palestina, que atualmente se baseia no consumo em cima de doações e sofre de uma estagnação corrente no setor privado, é insustentável. Se fosse permitido o desenvolvimento de negócios e da agricultura na Área C, isto acrescentaria 35% ao PIB palestino”.

O Banco Mundial estima que as receitas do governo aumentariam em US$ 800 milhões, o que reduziria o déficit fiscal pela metade, levando à diminuição da necessidade de doações e também das taxas de desemprego e pobreza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *