Brasília, 19 de novembro de 2018 - 06h23

Defesa

06 de maro de 2012
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - A gigante norte-americana Boeing minimizou nesta segunda-feira, 5, a decisão do governo dos Estados Unidos de cancelar um contrato de US$ 355 milhões com a Embraer para a compra de 20 aeronaves Super Tucano, ao garantir que a sua proposta para o Programa FX2 é inédita e reservada apenas aos melhores aliados dos Estados Unidos.



Sem entrar em detalhes, o presidente da Boeing Military Aircraft, Chris Chadwick, explicou que a empresa considera "inacreditavelmente" profissional o processo conduzido pela Força Aérea Brasileira (FAB).



Já a ex-embaixadora norte-americana em Brasília, Donna Hrinak, presidente da Boeing Brasil, assegurou que a companhia está no Brasil para uma parceria de longo prazo e não apenas para vender aviões.



Ela revelou que a Boeing tem interesse em participar do programa Ciência Sem Fronteira e na implantação do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON) e do Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz).



O embaixador norte-americano no Brasil, Thomas Shannon, afirmou que Brasil e Estados Unidos terão uma agenda de cooperação em Defesa e que o Super Tucano ainda tem chances de ser adquirido pela Força Aérea dos Estados Unidos.



Segundo ele, o cancelamento da compra do Super Tucano não tem nada a ver com a Embraer ou com o próprio avião.



Nesta segunda-feira, os executivos da Boeing estiveram reunidos com o Comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, para reafirmar a confiança da empresa na própria proposta e na parceria com o Brasil.



Análise da Notícia



Marcelo Rech



O embaixador Thomas Shannon é um dos mais bem preparados diplomatas dos Estados Unidos, além de profundo conhecedor da América Latina e do Brasil em especial, onde já atuou nos anos 90.
Ele sabe que a decisão da Força Aérea norte-americana de cancelar a compra do Super Tucano pouco mais de um mês antes do encontro entre Dilma Rousseff e Barack Obama, em Washington, foi desastrosa.



Inoportuna, para se dizer o mínimo.



O lobby norte-americano é muito forte e a Embraer pagou o preço, mesmo com um contrato que previa a instalação de uma unidade na Flórida e a geração de empregos nos Estados Unidos.



É claro que a decisão sobre a compra dos caças para a FAB guarda relação com este fato, ainda que sejam situações bem diferentes.



No final, essa decisão nunca é técnica, mas política.



A Boeing com o F-18 perdeu terreno e como diz o Itamaraty em nota, a decisão não ajuda no aprofundamento das relações.



Não adianta os Estados Unidos enviarem seus melhores e mais bem situados assessores. Uma das principais empresas do Brasil sofreu um constrangimento para o qual haverá resposta.



Enquanto o Rafale ganha fôlego com a decisão indiana, o F-18 cai em desgraça.



O encontro de Obama com Dilma terá de ir muito além do protocolar para que o avião norte-americano volte ao jogo.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...