Brasília, 21 de fevereiro de 2019 - 08h04

Tríplice Fronteira

20 de maio de 2017
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - Nesta terça-feira, 16, o ministro de Governo da Bolívia, Carlos Romero, reuniu-se com autoridades brasileiras para revisar a situação do narcotráfico e demais delitos transnacionais na região. Diante do cenário de avanço e fortalecimento da criminalidade organizada, decidiram pela criação de um Centro de Inteligência compartilhado e que incluirá também o Peru. Além disso, os três países criarão um laboratório para a detecção de dinheiro ilícito.



Na semana passada, Romero esteve em Brasília onde reuniu-se com diplomatas e funcionários do ministério da Justiça e da Secretaria de Segurança Pública. Segundo ele, “essas reuniões nos permitiram concluir que é necessário ativar um Centro de Inteligência entre Bolívia, Brasil e Peru, e implementarmos um laboratório capaz de identificar dinheiro falso”.



Na avaliação do governo boliviano, essas tarefas cobram ações imediatas e respondem à uma responsabilidade comum compartilhada, pois diz respeito à delitos transnacionais. Recentemente, a Bolívia identificou também células do Primeiro Comando da Capital (PCC) e do Comando Vermelho (CV), que cometem assaltos, sequestros, narcotráfico e comércio ilegal de armas nas regiões fronteiriças de Beni, Pando e Santa Cruz.



Neste momento, os três países trabalham também na redação de protocolos para a implementação de um centro integrado de controle do espaço aéreo com a instalação de modernos radares que cobrirão, primeiro, a região de fronteira e depois, todo o território boliviano.