Brasília, 30 de setembro de 2020 - 02h51
Bolívia busca maior aproximação e cooperação em Defesa com o Brasil

Bolívia busca maior aproximação e cooperação em Defesa com o Brasil

03 de fevereiro de 2020 - 10:03:34
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O Ministro da Defesa da Bolívia, Luis Fernando Lópes Julio, encerrou na última sexta-feira, 31, uma série de reuniões com militares brasileiros sediados em Manaus (AM). No último encontro, reuniu-se com o colega Fernando Azevedo e Silva, no Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV).

Antes, Luis Fernando Lópes Julio, já havia discutido assuntos de interesse comum e possíveis parcerias envolvendo os militares dos dois países, nas unidades da Marinha, do Exército, e da Força Aérea, localizadas na capital do Amazonas.

O Ministro Fernando Azevedo, destacou a importância estratégica da Bolívia para o Brasil. Os dois países dividem uma fronteira de 3.423 mil km que se estende desde Corumbá, no Mato Grosso do Sul, até Assis Brasil, no Acre, passando ainda por Mato Grosso e Rondônia. A relação bilateral é estratégica, em particular do ponto de vista da integração energética, da integração da infraestrutura física e da coordenação para o combate a ilícitos transnacionais.

Por estar situada no centro do continente, a Bolívia é caminho natural de acesso ao Pacífico e apresenta importante potencial como rota alternativa para o escoamento das exportações brasileiras, principalmente os grãos produzidos no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, pautam atualmente a cooperação bilateral no combate ao narcotráfico e ao crime organizado os acordos alcançados bilateralmente na IX Comista sobre Drogas e Temas Conexos (2016) e no Primeiro Gabinete Binacional de Segurança Brasil-Bolívia (2017), bem como as diretrizes regionalmente acordadas na Declaração de Brasília (Reunião Ministerial do Cone Sul sobre Segurança nas Fronteiras, 2016).

Nas três oportunidades, restou refletida a prioridade brasileira de concentrar as ações nos elos centrais das cadeias criminosas. A cooperação em inteligência ganhou destaque e recebeu tratamento transversal, como comprovam os compromissos estabelecidos nas áreas de combate à lavagem de dinheiro, cooperação policial, controle de químicos e inteligência financeira. A Bolívia integra, por exemplo, o Centro de Cooperação Policial Internacional (CCPI) do Rio de Janeiro.

Agenda

Durante a agenda em Manaus, os militares assistiram a uma palestra sobre a estrutura e funcionamento do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e a execução das atividades relacionadas à vigilância e ao controle da circulação aérea geral, bem como a manutenção da integridade e da soberania do espaço aéreo brasileiro, nas áreas definidas como de responsabilidade brasileira na Região Amazônica. Para tanto, o ministro boliviano também visitou as instalações do CINDACTA IV e do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam).