Brasília, 21 de julho de 2019 - 21h27
Bolívia rejeita Bolsonaro, mas buscará parcerias em 2019

Bolívia rejeita Bolsonaro, mas buscará parcerias em 2019

01 de janeiro de 2019 - 21:04:46
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O presidente da Bolívia, Evo Morales, rejeita ostensivamente o governo brasileiro que passa a ser liderado por Jair Bolsonaro, mas a sua presença na cerimônia de posse demonstra o desejo de buscar parcerias em 2019 com o Brasil. No dia 26, ele recebeu as cartas credenciais do novo embaixador brasileiro em La Paz, Octávio Henrique Dias Garcia Côrtes, a quem reforçou este desejo.

Aliado de Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, Evo Morales tentará mais um mandato em 2019 depois de perder um referendo que rejeitou a reeleição ilimitada. No ano que vem, também vence o contrato de fornecimento de gás da Bolívia para o Brasil. Além disso, o único país que não concluiu o processo de adesão da Bolívia ao MERCOSUL é justamente o Brasil.

La Paz também conta com o apoio brasileiro para viabilizar o projeto do Corredor Bioceanico Central, uma obra que ligaria o Porto de Santos ao Pacífico por meio do Porto de Ilo, no Peru, cortando o território boliviano.

De acordo com o ministro de Obras Públicas, da Bolívia, Milton Claros, ainda nesta semana serão enviadas mensagens aos ministros brasileiros do novo governo para colocá-los a par do projeto. A última reunião que trataria do Corredor Bioceanico, prevista para ocorrer em dezembro, foi postergada a pedido do Brasil.

Milton Claros fez questão de enfatizar que as negociações encontram-se avançadas faltando detalhar questões técnicas sobre os postos de fronteira, a instalação de uma aduana e controle migratório.

O Grupo Operativo Bioceanico, encarregado de pôr em marcha o projeto é integrado por Bolívia, Brasil e Peru, mas já conta também com a adesão do Paraguai e do Uruguai.

No dia 18 de janeiro, Bolívia e Peru se reunirão na localidade de Ilo para definir mecanismos que permitam fortalecer o terminal portuário.