Relações Exteriores

CBERS
30/04/2012
Poder Político e Econômico
30/04/2012

Brasil cobra Bolívia por ações militares contra br

Brasil cobra Bolívia por ações militares contra brasileiros

Brasília – O governo brasileiro cobrou explicações da Bolívia sobre as denúncias de maus-tratos, invasão de casas, morte de gado e expulsão de brasileiros daquele país por parte de militares bolivianos que atuam na fronteira dos dois países.

O Brasil também quer saber se militares bolivianos armados atuaram em território brasileiro. Pelo menos 35 mil soldados do Exército brasileiro foram enviados para a região. Eles ficarão ali até que a situação seja normalizada.

O ministério das Relações Exteriores informou que as ações teriam ocorrido no dia 25. No dia 26, o governo brasileiro deslocou representantes da Polícia Federal para a cidade de Capixaba, distante 77 km de Rio Branco. O governo do Acre também enviou representantes para apurar os fatos.

No dia 27, o Encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil, Eduardo Sabóia, reuniu-se com diplomatas bolivianos em La Paz e o Secretário-Geral do Itamaraty, Ruy Nogueira, conversou com o vice-ministro de Relações Exteriores da Bolívia, Juan Carlos Alurralde

O Brasil aguarda por uma resposta oficial da Bolívia para então definir o que fará. Trata-se de um problema antigo que perdura pelo menos quatro anos.

De acordo com o governo do Acre, uma lei boliviana não permite que estrangeiros sejam donos de terras em uma faixa de 50 km da fronteira. Um acordo entre os dois países prevê a retirada dos brasileiros que vivem na faixa de fronteira da Bolívia.

Os brasileiros que possuem terras na fronteira, terão até 25 de maio para deixar a Bolívia. No entanto, há um acordo em vigência que assegura aos brasileiros o direito de permanecerem no local até 31 de dezembro de 2012.

O INCRA informou que 554 famílias deverão ser retiradas da fronteira com a Bolívia. No ano passado, 120 famílias foram reasentadas no Acre. A previsão é que outras 150 passem pelo mesmo processo até o final do ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *