Brasília, 25 de maio de 2020 - 07h10
Brasil coordena missão para trazer líder de facção de volta ao país

Brasil coordena missão para trazer líder de facção de volta ao país

22 de abril de 2020 - 10:48:16
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O Governo Federal, por meio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandou neste domingo, 19, uma megaoperação internacional para dar cumprimento ao decreto de expulsão, expedido pelas autoridades de Moçambique, do criminoso Gilberto Aparecido dos Santos, vulgo Fuminho. O narcotraficante estava na lista dos criminosos mais procurados do Ministério da Justiça e Segurança Pública e foi preso, na terça-feira, 14, em um hotel da capital Maputo, pela Polícia Federal e forças de segurança internacionais, entre elas, agentes norte-americanos e moçambicanos.

O ministro Sergio Moro, informou que o criminoso já está em um presídio federal, em Catanduvas (SP). “Este foi um grande golpe contra o crime organizado e uma demonstração de que o Governo Federal tomará as medidas necessárias para trazer esses criminosos à Justiça brasileira”, afirmou.

A operação para trazer Fuminho, considerado o número 2 do PCC, da África foi coordenada pela Polícia Federal, com apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, do Ministério da Defesa e do Itamaraty, além do governo de Moçambique. O retorno do criminoso foi feito pela Força Aérea Brasileira (FAB). Ele estava foragido há 21 anos.

Moro enfatizou ainda que “a prisão segue estratégia do governo federal de estrito rigor no cumprimento da lei contra organizações criminosas”.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores agradeceu o apoio recebido dos Estados Unidos e de Moçambique. De acordo com o comunicado, "o governo brasileiro agradece aos governos dos Estados Unidos, por meio da “Drug Enforcement Administration” (DEA), e de Moçambique pela cooperação com a Polícia Federal brasileira que levou à prisão de Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, foragido da justiça brasileira. A operação e os seus resultados positivos comprovam a importância da ação conjunta dos governos no combate ao crime organizado.cado, "