Brasília, 19 de novembro de 2018 - 06h23

Oriente Médio

13 de julho de 2012
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - O governo brasileiro condenou por meio de nota do Itamaraty, nesta sexta-feira, 13, o massacre registrado no povoado de Tremseh, em que 220 pessoa foram mortas por forças do governo durante bombardeio de helicópteros e tanques.



A nota destaca a preocupação do Brasil com o uso de armas pesadas contra populações de civis na Síria. O ministério das Relações Exteriores também pede que o governo sírio interrompa imediatamente as ações militares contra as pessoas desarmadas.



Além disso, o Itamaraty reiterou seu apoio às iniciativas da Conferência de Grupo de Ação sobre a Síria, realizada em Genebra.



De acordo com a nota, "o Brasil condena veementemente a repressão violenta contra civis desarmados e recorda os compromissos do governo sírio, contidos no Plano de Paz de seis pontos do enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, de cessar imediatamente toda movimentação de tropas e o uso de armamento pesado em áreas urbanas".



A diplomacia brasileira também acompanha a evolução das negociações realizadas na Suíça. Já há um acordo em torno da formação de um governo de transição, mas sem definição em relação ao futuro do presidente Bashar al-Assad.



"O governo brasileiro tomou conhecimento, com grande preocupação, da utilização de armamento pesado contra civis pelo governo sírio na vila de Tremseh, perto da cidade de Hama.



O Brasil condena veementemente a repressão violenta contra civis desarmados e recorda os compromissos do governo sírio, contidos no Plano de Paz de seis pontos do enviado especial da ONU [Organização das Nações Unidas] e da Liga Árabe, Kofi Annan, de cessar imediatamente toda movimentação de tropas e o uso de armamento pesado em áreas urbanas", diz o comunicado do Itamaraty.



De acordo com estimativas da oposição, mais de 16 mil pessoas já morreram na Síria desde o início dos confrontos entre tropas do regime e os rebeldes, que pedem a renúncia de Assad.



A ONU fala em mais de 10 mil mortos no país, desde o início do conflito, há 16 meses.



Rússia e China, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, ainda impedem que uma resolução aprovando o uso da força contra o regime sírio, seja aprovada.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...