Relações Exteriores

PT defende Política Externa do governo Lula
19/02/2010
Integração Regional
19/02/2010

Brasil defende diálogo do Irã com agência atômica

Brasil defende diálogo do Irã com agência atômica

Em maio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ao Irã onde se encontrará com Mahmoud Ahmadinejad. A expectativa da comunidade internacional gira em torno do que poderão conversar sobre o programa nuclear iraniano.

O Brasil defende que o país desenvolva energia nuclear para fins pacíficos e descarta apoiar sanções como querem os Estados Unidos, a União Européia e até mesmo a Rússia.

Além disso, para o governo brasileiro a proliferação nuclear só pode ser combatida com desarmamento.

“A verdadeira não proliferação só ocorrerá quando houver desarmamento. Não queremos que haja uma proliferação de armas nucleares”, afirmou o chanceler Celso Amorim.

O ministro das Relações Exteriores, que defende a aproximação brasileira com o Irã, elogiou a proposta da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

A AIEA quer que Teerã negocie o fornecimento do combustível nuclear com outras nações.

Para Celso Amorim, o Irã não pode despertar o temor da comunidade internacional sobre seu programa de enriquecimento de urânio.

“Por isso, é necessário o acordo. Nós achamos que o acordo proposto pela agência é uma base adequada”, destacou.

Na sua avaliação, o impasse é fruto da falta de diálogo entre as partes.

 “Se o presidente Ahmadinejad disse que está disposto a produzir urânio levemente enriquecido e a comprar produtos estrangeiros, é necessário conversar. Em um mês, resolvem-se essas dificuldades”, afirmou.

O ministro anunciou que em breve o diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, virá ao Brasil, mas não revelou o que será discutido.

“Queremos contribuir para o diálogo, porque o Irã é uma das situações que inspiram cuidado no mundo”, concluiu.

Análise da Notícia

Marcelo Rech

Ao manter sua posição de apoio ao Programa Nuclear iraniano, o Brasil coloca em risco as conquistas de sua política externa nos últimos anos.

Trata-se de um risco que a diplomacia parece disposta a correr.

O Brasil é um dos poucos países que dialogam com o regime iraniano e manter esse canal de conversação aberto é uma das prioridades do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para o Itamaraty, as polêmicas em torno do enriquecimento de urânio resultam da falta de diálogo.

Na visão da diplomacia brasileira, não há acordo de paz no Oriente Médio sem a participação do Irã.

Como o país tem interesse em jogar um papel protagonista na região, manter em alto nível as relações com o Irã é algo primordial.

Pelo menos na visão do ministério das Relações Exteriores.

Comercialmente, o Irã é irrelevante para a balança comercial brasileira, mas do ponto de vista político, um ator prioritário.

Lula estará no país em maio, mas antes, em março, visitará Israel e Palestina.

Ele e seu governo acreditam que o Brasil reúne condições de negociar a paz pelo simples fato de não discriminar ninguém e de sentar-se à mesa com todos sem imposições.

Para muitos analistas, nada justifica a posição brasileira. O país só tem a perder.

O apoio ao Irã poderia até mesmo comprometer o projeto de assumir uma cadeira como membro permanente num futuro Conselho de Segurança ampliado.

Como já dissera o ministro Celso Amorim, “não se pode ganhar sempre”.

Por outro lado, se o tempo mostrar que a jogada do Brasil foi acertada, essa pretensão poderá ganhar muito mais relevância.

O certo é que o Brasil não está ao lado do Irã por ingenuidade ou burrice.

Marcelo Rech é jornalista, editor do InfoRel e especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa e Terrorismo e contra-insurgência. Correio eletrônico: inforel@inforel.org

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *