Brasília, 07 de dezembro de 2019 - 01h24
Brasil destaca oportunidades de investimento no Reino Unido e Alemanha

Brasil destaca oportunidades de investimento no Reino Unido e Alemanha

02 de dezembro de 2019 - 18:34:21
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, concluiu na última sexta-feira, 29, um giro por Reino Unido e Alemanha onde destacou as oportunidades de investimentos no Brasil. Em Berlim, ele reforçou a liderança do Brasil na preservação ambiental e em Londres, a maturidade como trunfo do país para atrair investimentos.

Freitas, destacou, na capital alemã, que a liderança do Brasil na questão ambiental é resultado da capacidade histórica do país de equilibrar seu desenvolvimento com a sustentabilidade. “Talvez nós sejamos a grande potência ambiental do mundo, e nós temos condições de liderar qualquer discussão ambiental com a autoridade de quem soube preservar”, afirmou durante o Fórum de Infraestrutura Brasil-Alemanha, realizado pela Associação das Câmaras de Comércio e Indústria da Alemanha (DIHK).

Na sua avaliação, a preservação ambiental é um importante ativo que valoriza os projetos de infraestrutura no mercado global. “O Brasil responde por pouco mais de 1% das emissões de gás do efeito estufa no mundo, nós temos mais de 60% da nossa mata nativa preservada e 84% da Amazônia preservada, com 42% de matriz energética limpa. A Alemanha tem 14%”, explicou.

O Ministério da Infraestrutura informou que, em outubro, foi assinado memorando de entendimento com a agência de cooperação técnica alemã Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) para adequar ações e projetos de infraestrutura, adaptando-os às mudanças climáticas. Em setembro, também foi assinado memorando de entendimento com a Climate Bonds Initiative (CBI) para certificar com “selo verde” os projetos de concessões, de olho no crescimento do mercado global de green bonds (títulos verdes).

Tarcísio Freitas também participou de mesa redonda sobre oportunidades de investimentos no Brasil, realizada na sede da Deutsche Bahn, empresa estatal de transportes. Participaram do encontro investidores e operadores de ferrovias europeus.

Na quinta-feira, 28, ele fez visita técnica ao Porto de Hamburgo, segundo maior da Europa. Freitas conheceu as operações de contêineres 100% automatizadas e terminais que, inclusive, recebem minérios de Carajás (PA) e Tubarão (SC). O ministro e técnicos brasileiros discutiram com representantes do governo local e da iniciativa privada, diferentes modelos de desestatização e operações de portos, com a contribuição de exemplos europeus e brasileiros.

O governo federal estuda, num primeiro momento, a privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) e deve seguir com um planejamento de abertura no setor. “Discutimos modelos, soluções logísticas e sua integração multimodal. Operação ferroviária local sob a autoridade do porto é algo a ser estudado para Santos, por exemplo”, explicou o ministro.

Reino Unido

Em Londres, Tarcísio Gomes de Freitas ressaltou a maturidade como trunfo do Brasil para atrair investimentos. Na capital inglesa, foram 25 reuniões com fundos de investimentos e executivos de grandes bancos em dois dias de agenda. “Percebemos no cenário internacional um momento interessante para a atração de investimentos no Brasil. Oferecemos um ambiente seguro para se investir a longo prazo”, destacou.

Para o ministro, o Brasil tem um sofisticado programa de concessões, que é fruto de conversas com o mercado. “Apresentamos uma reforma no ambiente de negócios com resultados concretos e que já está endereçando e mitigando riscos apontados pelos próprios investidores”, afirmou.

As agendas no Reino Unido se concentraram na Embaixada Brasileira, no banco Credit Suisse e no Bank of America. Os fundos de investimentos que se reuniram com os representantes do governo brasileiro, somados, administram US$ 7 trilhões em ativos.

Este ano, Freitas já esteve em Washington e Nova York, nos Estados Unidos, e também em Madri, na Espanha. Em 11 meses, o Ministério da Infraestrutura já concedeu à iniciativa privada 13 terminais portuários, 12 aeroportos, uma rodovia e uma ferrovia. “Deveremos ter no ano que vem dois leilões de ferrovias, sete leilões de rodovias, 22 aeroportos e uma série de terminais portuários”, anunciou o ministro. Até 2022, serão concedidos empreendimentos que, somados, demandarão R$ 217 bilhões em investimentos privados nos próximos 30 anos.