Defesa

UNASUL adota Cláusula Democrática contra golpes
06/10/2010
Programa FX2
06/10/2010

Brasil deve disputar mercado de defesa

Brasil deve disputar mercado de defesa

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, defendeu que as indústrias brasileiras de defesa se reúnam em conglomerados, como ocorre nos países desenvolvidos, para disputar o mercado internacional.

 

Nesta quarta-feira, Jobim participou do Seminário “Reaparelhamento das Forças Armadas”, promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

 

Na abertura do evento, o ministro detalhou as principais diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa, e a estrutura da Nova Defesa, resultante das mudanças legais que pretendem fortalecer o ministério.

 

Para o ministro, o Estado deve auxiliar as empresas a se reestruturar e se capitalizar, para que possam andar com seus próprios meios.

 

“Vamos participar, para dar musculatura às empresas, mas elas terão que ter uma forma de sustentabilidade, sem depender do contribuinte”, alertou.

 

Nelson Jobim também ressaltou que a reestruturação não pode restringir-se ao Brasil, mas às empresas de outros países da América do Sul.

 

Segundo ele, o Brasil deve fortalecer o mercado sul-americano para enfrentar a concorrência mundial, aproveitando especialmente as oportunidades no mercado Sul-Sul.

 

De acordo com a Fiesp, nos próximos dez anos, as Forças Armadas receberão US$ 27 bilhões para investimentos.

 

Durante o evento, Nelson Jobim apresentou, em um mapa, as principais instalações de infra-estrutura do país – do pré-sal aos troncos de telecomunicações.

 

E apontou os vazios de presença, marcadamente na fronteira amazônica.

 

Na sua avaliação, há muitas vulnerabilidades que precisam ser corrigidas com o aparelhamento adequado e a reestruturação da defesa.

 

O ministro observou que o Brasil não enfrenta problemas com o terrorismo, que podem colocar em risco essa infra-estrutura desprotegida. Mas ponderou que o quadro pode mudar no futuro.

“Não temos terrorismo, mas no momento em que passarmos a ser protagonistas internacionais, quem disse que não possamos ter?”, questionou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *