Defesa

IV Reunião da Comissão Intergovernamental Brasil–U
08/09/2010
A mais longa das guerras
08/09/2010

Brasil e China têm Parceria Estratégica em Defesa

Brasil e China têm Parceria Estratégica em Defesa

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o ministro da Defesa da República Popular da China, General-de-Exército Liang Guanglie, reconheceram que a paz e o desenvolvimento econômico e social representam os principais desafios de hoje, e exige aprofundamento na cooperação internacional.

A avaliação conjunta dos ministros foi feita nesta quarta-feira, 8 em visita oficial ao Brasil, no Quartel General do Exército, em Brasília.

De acordo com o ministério da Defesa, os ministros discutiram diversos temas das relações bilaterais.

No âmbito da defesa, concordam que o fomento à cooperação constitui importante instrumento para a consecução desses objetivos.

“As mudanças de governo no Brasil que se realizarão em janeiro não alterarão de forma alguma a intensificação, o fortalecimento e o aprofundamento de nossas relações”, garantiu o ministro Nelson Jobim.

Ao final do encontro, os ministros fizeram um balanço das ações desenvolvidas nas relações bilaterais de defesa e reconheceram que essa afinidade entre as Forças Armadas constitui componente importante da Parceira Estratégica entre China e Brasil.

Para ambos, a troca de visitas de delegações militares deverá ser intensificada.

O reforço de cooperação em áreas de formação de pessoal, treinamento e aprendizado da língua portuguesa, entre outros programas, deve ser realizado intensamente.

Conforme o comunicado conjunto, o “intercâmbio e a cooperação entre os dois países nos assuntos de defesa e segurança favorecem o enriquecimento da Parceira Estratégica entre os dois países e o maior desenvolvimento das relações bilaterais”.

O Ministério da Defesa outorgou a medalha Ordem do Mérito da Defesa, comenda no Grau de Grã-Cruz, ao General-de-Exército Liang Guanglie.

Em seu discurso, Jobim declarou que os compromissos do Brasil e da China aprofundam-se quanto à segurança e à estabilidade mundial.

“O Brasil tanto quanto a China tem como compromissos o desenvolvimento de seus povos e também o compromisso internacional com a paz”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *