Relações Exteriores

Brasil e Argentina buscam convergência regulatória no setor automotivo
29/08/2018
México amplia importação de carne de frango brasileiro
29/08/2018

Brasil e EUA avançam em cooperação jurídica

Brasília – Nesta terça-feira, 28, Brasil e Estados Unidos deram mais um passo no sentido de avançar a cooperação jurídica bilateral. Neste sentido, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, da Secretaria Nacional de Justiça, recebeu a visita do Assessor Jurídico do Departamento de Justiça norte-americano, Rodrigo Dias, e do Assistente Jurídico do Departamento Federal de Investigação (FBI) no Brasil, Patrick Kramer.

O objetivo do encontro foi obter informações sobre os recentes acontecimentos e inovações jurídicas no que se refere às possibilidades de obtenção de informações cibernéticas localizadas nos Estados Unidos, em especial sobre a nova lei norte-americana, recentemente promulgada, Cloud Act.

Essa lei prevê que os Estados Unidos firmem acordos bilaterais para a troca de informações coletadas no ambiente virtual, o que pode também colaborar com investigações e processos brasileiros nos quais haja necessidade de obtenção de provas digitais naquele país.

Outro ponto de discussão foi a Ação Direta de Constitucionalidade n° 51 do Supremo Tribunal Federal, que versa sobre os mecanismos e possibilidades relativas à cooperação jurídica internacional entre Brasil e Estados Unidos para a obtenção de provas digitais e diligências telemáticas no exterior.

Os dois países discutem, em especial, a aplicabilidade de acordo bilateral sobre assistência jurídica em matéria penal entre os dois países, bem como a incidência dos preceitos da lei brasileira sobre o marco civil da internet (Lei n° 12.965/14).

Para a Diretora do DRCI, Camila Colares Bezerra, esses assuntos são de extrema relevância para a cooperação jurídica internacional contemporânea.  “Tratam-se de diligências que serão cada dia mais solicitadas pelas autoridades que conduzam investigações e processos, em virtude do inevitável aumento do uso da internet, aplicativos e outras ferramentas digitais para práticas delitivas. Estamos buscando formas alternativas e balanceadas para formalizar esse tipo cooperação”, explicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *