Exploração dos Recursos do Mar ganha reforço
10/01/2011
Palestina confia em reconhecimento internacional a
10/01/2011

Brasil e Ucrânia querem lançar Cyclone-4 em 2011

Brasil e Ucrânia querem lançar Cyclone-4 em 2011

A presidente Dilma Rousseff conversou nesta segunda-feira com o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, sobre o desenvolvimento do foguete Cyclone-4 construído em parceria pelos dois países.

Os dois países pretendem lançar o foguete ainda em 2011 do Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão.

A Ucrânia possui tecnologia para a fabricação de foguetes, mas não dispõe de centros de lançamento.

O Cyclone é considerado um dos foguetes mais bem sucedidos com apenas seis falhas em 226 lançamentos.

Viktor Yanukovich deverá vir ao Brasil em maio para as comemorações dos 120 anos da chegada dos primeiros ucranianos ao país quando discutirá pessoalmente com Rousseff detalhes da cooperação.

O Brasil, segundo a presidente, abriga a terceira maior comunidade de imigrantes ucranianos com cerca de um milhão de descendentes, residentes principalmente no estado do Paraná.

Binacional

A Empresa Binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) é responsável pela comercialização e operação de serviços de lançamento utilizando o veículo lançador Cyclone-4.

A ACS é o resultado de anos de negociações entre o Brasil e a Ucrânia iniciadas formalmente com a assinatura do Acordo-Quadro sobre a Cooperação de Usos Pacíficos do Espaço Exterior, em 18 de novembro de 1999.

O encerramento das negociações foi marcado pela assinatura, em 21 de outubro de 2003, do Tratado de Cooperação de Longo Prazo na Utilização do Veículo de Lançamento Cyclone-4 no Centro de Lançamento de Alcântara.

A empresa binacional foi oficialmente constituída em 31 de agosto de 2006, quando seu estatuto foi aprovado e publicado no Diário Oficial da União do Brasil por meio da portaria número 599 do Ministério de Ciência e Tecnologia.

A primeira reunião do conselho de administração da ACS foi realizada em 30 de agosto de 2007.

O investimento inicial de cada país era de US$ 4,5 milhões. O Tratado estabelece ainda que os dois países devem integralizar o capital da empresa até um total de US$ 105 milhões.

Em reunião realizada em Kiev, em junho de 2008, decidiu-se por aumentar o capital da empresa para US$ 375 milhões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *