Brasília, 27 de março de 2019 - 00h36

Brasil investe R$162 milhões em navio de pesquisas

25 de outubro de 2012 - 23:27:36
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - Um investimento de R$ 162 milhões vai garantir ao Brasil um navio oceanográfico que está entre as cinco melhores plataformas de pesquisa do mundo.



A embarcação vai ampliar a infraestrutura embarcada existente no país, a geração de conhecimento e a formação de recursos humanos sobre o ambiente marinho na região do Atlântico Sul e Tropical. O país passará a contar com três navios oceanográficos de grande porte.



O resultado esperado são avanços nas áreas de Química, Geologia, Biologia e Física Marinha.



O navio de pesquisa hidroceanográfico será equipado com o que há de mais avançado em tecnologia de experimentação marinha, de acordo com a coordenadora-geral de Mar e Antártica do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Janice Trotte Duhá.



O foco das pesquisas é a chamada Amazônia Azul, como é conhecida a zona econômica exclusiva do mar brasileiro, com 3,6 milhões de quilômetros quadrados. "A ênfase será nos trabalhos de levantamento de recursos minerais e bioprospecção em águas sob jurisdição brasileira", completou.



Cooperação



A aquisição da embarcação integra um acordo de cooperação assinado na segunda-feira (22) entre os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Defesa/Marinha do Brasil, a Petrobras e a Vale.



A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) vai repassar a parte dos recursos que cabe ao MCTI, num total de R$ 27 milhões, que é a mesma quantia a ser aportada pela Marinha. A Vale entrará com R$ 38 milhões e a Petrobras, com R$ 70 milhões. O navio está em construção na cidade-estado de Cingapura.



O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, explica o interesse das empresas em investir no navio em função das possíveis novas descobertas de metais preciosos a serem explorados no leito do oceano, uma possibilidade de nova fronteira econômica.



"As empresas também reconhecem que sem ciência e tecnologia não têm futuro e, por isso, estão investindo. Várias empresas estão buscando minérios no fundo do mar e o mesmo querem fazer aqui. Temos que ter meios de reconhecer [as potencialidades] para ter capacidade regulatória de como utilizar esses recursos", afirmou o ministro.

Últimas notícias