Brasília, 14 de novembro de 2018 - 05h53

Brasil pede cessar-fogo no Oriente Médio

09 de agosto de 2006
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, enviaram cartas nesta quarta-feira, a autoridades do Egito, Sà­ria, Turquia, e ao Secretário-Geral da Liga dos Estados àrabes, reforçando as mensagens já enviadas ao Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas, Kofi Annan, para que sejam intensificados os esforços diplomáticos para que um cessar-fogo imediato seja adotado no Oriente Médio.

De acordo com o Itamaraty, o Brasil trabalha para que se alcance a paz negociada, justa e duradoura entre Israel e o grupo libanês Hezbollah. Para a diplomacia brasileira, o Conselho de Segurança da ONU deve agir com rapidez para impor o fim dos conflitos, principalmente por que as principais và­timas são civis.

O chanceler Celso Amorim, que já esteve em Adana, na Turquia, tem mantido contatos permanentes com diversos interlocutores sobre o tema. Além disso, enviou o Embaixador Extraordinário para o Oriente Médio, Affonso Celso de Ouro-Preto, para a região.

O Brasil também agradeceu à s autoridades sà­rias e turcas, pela pronta ajuda que os brasileiros têm recebido na operação de retirada do Là­bano tanto a partir de Damasco, na Sà­ria, como de Adana, na Turquia.

Venezuela

Enquanto o Brasil procura uma forma de influenciar na resolução do conflito, o presidente venezuelano Hugo Chávez decidiu retirar seu embaixador de Israel. Ele afirmou que na Venezuela não tem interesse em manter qualquer tipo de relação com os israelenses, a quem acusa de cometerem um novo holocausto contra palestinos e libaneses.

Em julho, a Venezuela foi aceita como observadora na Liga dos Estados àrabes. Em setembro, o Secretário-Geral da Liga, Amro Musa, vai à  Caracas para formalizar a adesão do paà­s.

A Venezuela também espera contar com o apoio dos paà­ses árabes em sua candidatura como membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU.

Argentina e Peru são os atuais representantes rotativos da América Latina no Conselho de Segurança da organização. O Brasil integrou o órgão máximo da ONU entre 2004 e 2005 e para o ministro Celso Amorim, “não fazer parte do Conselho de Segurança é uma limitação efetiva. Quem decide na ONU é o Conselho e o Brasil está fora do Conselho”.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...