Brasília, 26 de junho de 2019 - 18h25
Brasil reconhece Juan Guaidó como presidente da Venezuela

Brasil reconhece Juan Guaidó como presidente da Venezuela

23 de janeiro de 2019 - 17:33:21
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O governo brasileiro reconheceu nesta quarta-feira, 23, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como Presidente Encarregado daquele país, de acordo com o que prevê a Constituição venezuelana, avalizado pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

O Brasil, assim como os demais 14 países que integram o Grupo de Lima, a União Europeia e os Estados Unidos, não reconhecem Nicolás Maduro como o Chefe de Estado. Ele assumiu seu segundo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro. O líder norte-americano Donald Trump foi o primeiro a reconhecer a presidência de Guaidó.

Em nota, o ministério das Relações Exteriores pontua que “o Senhor Juan Guaidó, Presidente da Assembleia Nacional venezuelana, assumiu hoje, 23/01, as funções de Presidente Encarregado da Venezuela, de acordo com a Constituição daquele país, tal como avalizado pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ). O Brasil reconhece o Senhor Juan Guaidó como Presidente Encarregado da Venezuela. O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela”, diz o texto.

Na semana passada, o chanceler Ernesto Araújo reuniu-se com diversos expoentes da oposição venezuelana, incluindo membros do grupo Rumbo Libertad que fizeram questão de deixar clara a sua rejeição à solução Guidó ou a qualquer possibilidade de diálogo com o atual regime.

Protestos

Também nesta quarta-feira, 23, manifestantes saíram às ruas de Caracas e das principais cidades da Venezuela no terceiro dia de protestos contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro. Protestos também foram registrados em diversos países.

A convocação foi feita justamente pelo deputado Juan Guaidó que se declarou presidente da República em exercício e jurou em nome de Deus. Apontado como principal líder da oposição, Guaidó fez o juramento comprometendo-se a assumir o poder interinamente e promover eleições gerais. O juramento foi feito durante um protesto contra o governo Maduro em Caracas.

"Hoje, 23 de janeiro de 2019, em minha condição de presidente da Assembleia Nacional, ante Deus todo-poderoso e a Venezuela, juro assumir formalmente as competências do Executivo nacional como presidente em exercício da Venezuela."

Antes, ele reiterou a promessa de anistia aos militares que abandonarem Maduro e apelou para que fiquem “do lado do povo”. Segundo ele, é preciso reagir à “usurpação” do poder por parte do presidente da República, instaurar o governo de transição e eleições livres.