Brasília, 17 de junho de 2019 - 11h15
Brasil reitera interesse em manter relações com os países árabes

Brasil reitera interesse em manter relações com os países árabes

11 de abril de 2019 - 17:30:32
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Nesta quarta-feira, 10, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou a um grupo de 37 embaixadores árabes e muçulmanos, o interesse do Brasil em manter e ampliar as relações bilaterais. Ele afirmou que as relações comerciais dessas nações com o Brasil devem se traduzir cada vez mais em laços de amizade e respeito. Bolsonaro acrescentou que o governo federal está "de braços abertos" a todos os países

O evento foi organizado pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Segundo ela, “o mercado islâmico, os muçulmanos e os árabes, são grandes compradores de milho, soja, proteína animal. É um mercado importantíssimo para esse segmento. Houve um mal-estar, que tenho tentado contornar, recebendo todos os embaixadores no ministério, conversando, explicando”, disse a ministra.

"Que esses laços comerciais cada vez mais se transformem em laços de amizade, de respeito e de fraternidade", afirmou o presidente.

Tereza Cristina, ressaltou que o governo está determinado a construir relações com todos os países, valorizando o papel do agronegócio no comércio exterior. “O Brasil continuará cada vez mais firme nessa determinação de ser um país amigo de todos os países e o nosso papel da agricultura é cada vez mais fortalecer, além da amizade, o negócio da agropecuária brasileira com esses grandes países que são os países da Liga Árabe", afirmou.

Ela também reconheceu a importância da aproximação do Brasil com Israel. “O presidente Bolsonaro, desde sua campanha, sempre deixou claro essa sua aproximação política, ideológica com Israel. Uma coisa é essa identificação, outra coisa é o comércio. Israel é um país pequeno, que tem uma balança comercial com o Brasil muito pequena. Nós temos muito para trazer de Israel de tecnologia, intercâmbios estudantis. Mas na parte de venda, nós temos os países árabes que são importantíssimos e são amigos do Brasil há muitos anos”, explicou.

Sobre as relações com a China, Tereza Cristina observou que o principal parceiro comercial do agro brasileiro, poderá ter um papel ainda mais relevante. “A Europa está com crescimento pífio, os Estados Unidos são autossuficientes e nossos competidores. A África compra pouco. Mas podemos olhar a Ásia além da China. Temos ainda muito a prospectar”, destacou.

Segundo ela, “temos que dizer para China que somos parceiros confiáveis, entregamos produtos de qualidade, com bons preços e o volume que vocês precisam. E não existe país amigo ou país inimigo, amigos, amigos; negócios à parte. E o Brasil precisa continuar sendo amigo de todos aqueles que querem comprar os nossos produtos. É isso que no Ministério da Agricultura estamos fazendo”.