Defesa

Brasil quer aprofundar relações econômicas com Cub
01/02/2012
Cuba
02/02/2012

Brasil vai apoiar renovação da Defesa do Suriname

Brasil vai apoiar renovação da Defesa do Suriname

Brasília – Na semana passada, os ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e do Suriname, Lamure Latour, se reuniram em Brasília para acertar os detalhes da cooperação militar que permitirá ao Suriname renovar sua estrutura de Defesa. Os dois países também vão cooperar no combate aos crimes transnacionais e na capacitação profissional.

Brasil e Suriname pretendem ampliar a cooperação em Defesa estabelecida em 1992.

O Suriname tem interesse em adquirir do Brasil aviões de ataque leve e navios-patrulha de até 500 toneladas.

O ministro da Defesa do Suriname visitou as instalações da EMBRAER e ficou impressionado com o Super Tucano, avião que vários países vizinhos já utilizam nas operações de vigilância fronteiriça.

Além disso, a indústria aeroespacial brasileira também atraiu as atenções do ministro surinamês.

Latour explicou que o Suriname quer firmar um acordo com a Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron), para navios-patrulha e lanchas leves. O país também pretende renovar as frotas de viaturas leves e de caminhões.

O Brasil estuda abrir uma linha de crédito para o Suriname. Caberá ao Secretário de Produtos de Defesa, Murilo Barbosa, identificar a possibilidade para que as demandas do Suriname possam ser supridas pela indústria brasileira.

Em 1980, o Suriname comprou do Brasil uma frota de veículos blindados de reconhecimento, o Cascavel, e de transporte, o Urutu, ambos fabricados pela Engesa que faliu em 1990.

Esses veículos precisam ser modernizados e o Brasil vai tentar obter recursos, componentes e mão-de-obra para recuperá-los. Esse esforço já é feito com a frota de blindados do Brasil.

Com recursos da Agência Brasileira de Cooperação, Celso Amorim pretende apoiar a construção da nova sede do Colégio Nacional de Defesa, em Panamaribo.

Também será ampliado o intercâmbio entre os centros de preparação militar dos dois países. O ministro Amorim destacou a excelência do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) e declarou-se satisfeito com a grande presença de militares surinameses nas escolas militares brasileiras.

O Suriname solicitou ainda acesso aos dados do satélite sino-brasileiro CBERS, de sensoriamento remoto, a troca de informações obtidas pelo Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM), e a construção de uma pista de pouso no sul do país. Além disso, os dois países deverão realizar exercícios conjuntos na fronteira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *