Relações Exteriores

A UNILA e vizinhos desconhecidos
25/01/2010
Haiti quer ajuda por dez anos
26/01/2010

Cooperação

Brasil vai doar R$ 375 milhões ao Haiti

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, confirmou nesta segunda-feira em conferência no Canadá, que o Brasil vai doar R$ 375 milhões à reconstrução do Haiti.

Proposta neste sentido foi encaminhada ao Congresso e será votada em fevereiro.

Celso Amorim informou que dos US$ 15 milhões que o Brasil doou a título de ajuda humanitária emergencial, US$ 5 milhões já foram repassados à ONU. O restante deverá ser transferido nos próximos dias.

Mas isso é apenas uma fração da ajuda que o Brasil está estendendo aos haitianos, em alimentos, água, remédios, equipes de resgate, hospitais de campanha, máquinas para a remoção de entulhos e abertura de vias, entre outros itens”, afirmou.

De acordo com o ministro, os R$ 375 milhões serão gastos com as forças militares brasileiras que atuam no país e em atividades diretamente relacionadas à assistência humanitária, como a construção de dez unidades de saúde.

Além disso, o papel da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), órgão vinculado ao Itamaraty, será reforçado. A ABC já está envolvida na execução de 30 projetos de qualificação e formação dos haitianos.

Cooperação

Em sua intervenção, Celso Amorim ressaltou que a comunidade internacional não pode perder de vista que a ajuda ao Haiti deve respeitar os anseios e objetivos dos próprios haitianos.

“O bem-vindo desejo de cooperar com o Haiti tampouco deve ser desperdiçado ou desvirtuar-se por obra de ações unilaterais alheias ao trabalho da ONU. As Nações Unidas são a moldura que dá a necessária legitimidade ao conjunto de esforços internacionais em favor dos haitianos”, explicou.

Na avaliação do chanceler brasileiro, toda a ajuda ao Haiti deve ser coordenada pela ONU, “com base em mandatos claros e adaptados às circunstâncias, que conciliem as dimensões de segurança e desenvolvimento”.

O ministro anunciou ainda que o Brasil está em contato com países do Oriente Médio, Ásia e África para ampliar a ajuda ao Haiti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *