Brasília, 20 de novembro de 2019 - 14h25
BRICS foca na importância de reformas estruturais para crescimento

BRICS foca na importância de reformas estruturais para crescimento

28 de junho de 2019 - 14:00:43
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em Comunicado Conjunto emitido nesta sexta-feira, 28, reafirmaram a importância de reformas estruturais para o crescimento, com um ambiente econômico favorável que permita o fortalecimento do comércio internacional. A reunião informal foi realizada em Osaka, no Japão, à margem da Cúpula do G20 e presidida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Participaram do encontro, os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, da China, Xi Jinping, e da África do Sul, Cyril Ramaphosa, além do o Primeiro-Ministro da Índia, Narendra Modi. O Brasil preside o BRICS em 2019 quando receberá a próxima cúpula, em novembro, com o tema “Crescimento Econômico para um Futuro Inovador”.

No documento, os cinco países reconhecem que a inovação é uma força motriz essencial do desenvolvimento e reafirmaram o compromisso em maximizar os benefícios da digitalização e das tecnologias emergentes, inclusive para as populações de áreas rurais e remotas. “Encorajamos esforços conjuntos para compartilhar boas práticas de redução da pobreza por meio da internet, bem como de transformação digital do setor industrial”, diz um dos trechos do Comunicado.

Entre os temas destacados estão o aumento das tensões comerciais, a importância da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) e o combate ao terrorismo e à corrupção.

No âmbito econômico, os líderes destacaram que é preciso existir um ambiente econômico favorável para o crescimento do comércio internacional. “Desequilíbrios globais continuam amplos e persistentes e requerem monitoramento minucioso e respostas políticas tempestivas. Enfatizamos a importância de um ambiente econômico global favorável ao crescimento sustentável do comércio internacional”.

Ressaltaram que o BRICS tem sido um dos principais motores do crescimento global na última década e atualmente representa cerca de um terço do produto global. “A implementação contínua de reformas estruturais fortalecerá nosso potencial de crescimento. A expansão equilibrada do comércio entre os membros do BRICS contribuirá ainda mais para o fortalecimento dos fluxos de comércio internacional”.

Neste sentido, estão comprometidos com o comércio internacional transparente, não discriminatório, aberto, livre e inclusivo. “É imperativo que a agenda de negociações da OMC seja equilibrada e discutida de maneira aberta, transparente e inclusiva”. E reafirmaram apoio ao sistema multilateral de comércio baseado em regras, tendo a OMC como seu centro.  “Trabalharemos de forma construtiva com todos os membros da OMC sobre a necessária reforma da organização, com vistas a melhor enfrentar os desafios atuais e futuros no comércio internacional, aumentando assim sua relevância e eficácia”.

Terrorismo 

“Condenamos fortemente atentados terroristas, inclusive contra países do BRICS, em todas as suas formas e manifestações, independentemente de onde cometidos e de quem os cometa”.

Neste sentido, reiteraram  o compromisso de combater a exploração da internet para fins terroristas. “Conquanto reconheçamos que os estados têm papel de liderança para garantir a proteção e segurança no uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs), instamos as empresas de tecnologia a cooperarem com os governos, conforme a legislação aplicável, a fim de eliminar a capacidade de terroristas utilizarem plataformas digitais para encorajar, recrutar, facilitar ou cometer atos terroristas”.

Outro tema que mereceu destaque por parte dos líderes do bloco, é o combate à corrupção. Os países afirmaram que vão melhorar os esforços mútuos para processar pessoas procuradas por corrupção. “Continuamos firmemente comprometidos a combater a corrupção e continuaremos a promover a integridade nos setores público e privado. Nos esforçaremos, dessa forma, para promover a cooperação internacional contra a corrupção e o fortalecimento dos marcos jurídicos, conforme apropriado, para tratar de forma mais eficaz dos casos de corrupção, especialmente no que diz respeito à recuperação de ativos”.

Leia a íntegra do Comunicado Conjunto em: http://www.inforel.org/comunicado-conjunto-dos-brics-a-margem-da-cupula-do-g20