Brasil

Operação Ostium
23/03/2017
Integração Regional
23/03/2017

Comissão de Relações Exteriores

Bruna Furlan prega engajamento da sociedade civil nos assuntos de Política Externa e Defesa

Brasília – A deputada federal Bruna Furlan (PSDB-SP), assumiu nesta quarta-feira, 23, a presidência da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), pregando o engajamento da sociedade civil nos assuntos de Política Externa e Defesa. Segundo ela, “a sociedade precisa expressar o que espera dos seus diplomatas e militares; e esse debate nós enfrentaremos aqui, de forma suprapartidária e no mais alto nível”.

Furlan está em seu segundo mandato e já foi vice-presidente da CREDN em 2015. No ano passado, presidiu a Comissão Especial que discutiu a nova Lei de Migração, aprovada pela Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado Federal, atualmente, preside a Comissão Especial sobre Tratamento e Proteção de Dados Pessoais. Na sua avaliação, “os desafios que temos pela frente fazem jus ao tamanho deste país e da sua importância na cena internacional. O Brasil não pode abdicar de sua projeção, sua influência e sua presença nas grandes decisões, sejam elas políticas, humanitárias, e/ou comerciais”, afirmou.

Para a deputada, as relações internacionais do país passam pelo resgate do Itamaraty como principal formulador e executor da Política Externa e o fortalecimento da presença brasileira no exterior, “na resolução de conflitos, nas principais negociações comerciais, sem esquecermos o nosso papel e a nossa responsabilidade nos temas que dizem respeito às questões de caráter humanitário, como aqueles que tocam aos refugiados e aos migrantes, por exemplo”, explicou.

Defesa e Inteligência

No campo da Defesa Nacional, a presidente da CREDN lembrou que o Legislativo irá analisar as novas versões da Estratégia Nacional de Defesa (END), da Política Nacional de Defesa e do Livro Branco da Defesa Nacional. “Atuaremos, ainda, para que os Projetos Estratégicos das Forças Armadas e as condições do Exército, Marinha e Aeronáutica sejam significativamente melhoradas”, assegurou.

Ela quer ainda um maior envolvimento da CREDN nas discussões em torno da Base Industrial de Defesa (BID), elemento classificado como essencial para que o desenvolvimento tecnológico seja alcançado e consolidado por meio de produtos com alto valor agregado, divisas e empregos.

Bruna Furlan acumulará ainda a presidência da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI), órgão de controle externo do Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN). “Inteligência de Estado é uma área fundamental para que possamos nos antecipar às tendências e pensarmos o Brasil no longo prazo”, disse.

“Para aprofundar os debates em torno dessas três importantes políticas de Estado, realizaremos audiências públicas e seminários onde reuniremos especialistas brasileiros e estrangeiros e discutiremos os principais temas das agendas internacional, de defesa, e de inteligência”, concluiu a deputada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *