Brasília, 17 de novembro de 2018 - 05h53

CELAC é aposta de Chávez para reaver protagonismo

20 de novembro de 2011
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - Nos últimos meses, o presidente venezuelano Hugo Chávez perdeu o papel protagonista que detinha na região e aposta na Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos (CELAC), para reaver a liderança política na América Latina. O encontro será realizado em Caracas nos dias 2 e 3 de dezembro.



Às voltas com um câncer, Chávez tem chamado pessoalmente os presidentes da região para o encontro. Segundo ele, o encontro reunirá 33 Chefes de Estado e de Governo das Américas.



Hugo Chávez quer evitar a vergonha que o Paraguai passou recentemente com a Cúpula Ibero-Americana, ignorada pela maioria dos presidentes da região.



No dia 28, ele recebe o colega colombiano Juan Manuel Santos para um encontro bilateral. O mesmo deve ocorrer com a brasileira Dilma Rousseff e a argentina Cristina Kirchner.



A agenda intensa tem como objetivo desfazer as especulações em torno de sua saúde. Ele prometeu governar a Venezuela por mais 20 anos. As eleições presidenciais serão realizadas no segundo semestre de 2012.



CELAC



De acordo com o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos irá consolidar a independência dos países da região.



A CELAC é uma proposta brasileira e para Bolívia, Cuba, Equador e Venezuela, irá substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) no diálogo regional.



Para o governo venezuelano, a CELAC é parte de um processo de integração que reduz por completo a influência norte-americana na América Latina. O mecanismo, de acordo com Maduro, soma-se à outra iniciativa com o mesmo propósito: a UNASUL.



"Hoje podemos dizer que a UNASUL vive um processo de consolidação do ponto de vista político, organizativo e é um dos grandes motores do passo histórico que daremos com a Cúpula da CELAC em dezembro", afirmou Nicolás Maduro.



Proposta



Em dezembro, o Equador irá propor a criação de uma comissão de direitos humanos para atuar no âmbito da CELAC, como alternativa à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da OEA.



Para o presidente Rafael Correa, a CIDH não funciona porque é influenciada pelos Estados Unidos. Neste sentido, o Equador defende a criação de um mecanismo com os mesmos fins, mas com uma perspectiva diferente e distante de Washington.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...