Brasília, 15 de setembro de 2019 - 10h10
Chanceler defende negociações comerciais na FIRJAN

Chanceler defende negociações comerciais na FIRJAN

30 de agosto de 2019 - 08:56:50
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu, nesta quarta-feira, 28, junto ao Conselho Empresarial de Relações Internacionais da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), a importância das conclusões dos acordos do MERCOSUL com a União Europeia e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). Segundo ele, o Itamaraty está concentrado ainda em tratativas com outros países, como Canadá, Cingapura, Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos.

“Em relações exteriores, nosso foco é a continuação das negociações comerciais. De um modo geral, o governo está empenhado na continuação do processo de reformas, como a concretização da reforma previdenciária, e já começando a tratar da tributária”, afirmou.

O presidente da FIRJAN, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, reconheceu o impacto positivo dessas negociações para o estado do Rio: “A UE ocupa o terceiro lugar no comércio bilateral com nosso estado. Quase 11% das exportações fluminenses se destinam a este bloco europeu, enquanto mais de 13% das importações do Rio vêm da Europa. Já o acordo entre o MERCOSUL e a EFTA deve apresentar oportunidades, até aqui pouco exploradas, para permitir ao nosso estado buscar maior equilíbrio em suas trocas”.

Segundo a ministra Paula Barbosa, chefe da Divisão de Negociações Comerciais com a Europa e a América do Norte, o acordo MERCOSUL - UE encontra-se na fase de revisão, que deve ir até maio do ano que vem. “Depois que terminarmos sua revisão legal e as duas partes acordarem as últimas listas de ofertas de bens e serviços, o levaremos para a assinatura formal entre os governos. Em seguida, encaminhamos para ratificação que, no caso da UE, depende do Parlamento Europeu e depois dos parlamentos nacionais de cada integrante. No caso brasileiro, vai ao Congresso Nacional”, explicou. Segundo ela, a parte comercial do acordo pode entrar provisoriamente em vigor com aval do Parlamento Europeu.

Ernesto Araújo está confiante com a política comercial do governo. Para os empresários, falou de seus projetos prioritários para modernizar e criar oportunidades comerciais para o Brasil, citando conversas que vêm sendo desenvolvidas com Canadá, Cingapura e Coreia do Sul. Ele acrescentou, ainda que “também queremos firmar acordos com o Japão e com os Estados Unidos. Com este último, vale lembrar que já houve sinalização positiva dos presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump”.