Brasília, 16 de janeiro de 2019 - 17h30
Chile aposta por relações com o Brasil

Chile aposta por relações com o Brasil

02 de janeiro de 2019
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O presidente do Chile, Sebastián Piñera, reuniu-se nesta terça-feira, 1º, no Palácio do Planalto com o já empossado presidente Jair Bolsonaro, com quem iniciou os diálogos para o aprofundamento do relacionamento bilateral. Em março, Jair Bolsonaro deverá realizar visita oficial ao Chile.

Segundo Piñera, “estamos avançando em um acordo de cooperação em matéria de energias limpas e renováveis, em matéria de como aproveitar melhor a água. Já temos um acordo para construir um corredor bioceanico que parte de Porto Murtinho (MS), passa pelo Paraguai, o norte da Argentina e chega aos três portos do norte do Chile”, explicou.

O presidente chileno também destacou a importancia do Tratado de Livre Comércio firmado no final do ano passado com o Brasil e que agora terá de ser ratificado pelos respectivos parlamentos.

O Brasil é o terceiro sócio comercial do Chile e o primeiro na América Latina. Em 2017, o intercâmbio comercial entre os dois países superou os US$ 9 bilhões.

Ainda em Brasília, Sebastián Piñera aproveitou para se reunir com os presidentes do Paraguai, Mario Abdo Benítez, e de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, além do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Nos três encontros, o líder chileno tratou de cooperação para a gestão de recursos hídricos, segurança cibernética, inovação, e a negociação de acordos de livre comércio.

Mercado chileno

O Serviço Agrícola e Pecuário do Chile (SAGl) comunicou ao Brasil a habilitação integral do estado do Mato Grosso Sul para exportar carne bovina congelada e in natura. Assim, o Brasil termina o ano com mais uma conquista importante para Defesa Sanitária Animal e pecuária nacional.

Em 2010, quando o estado de Tocantins e parte do estado do Mato Grosso do Sul foram habilitados a exportar carne bovina in natura para o Chile, a autoridade sanitária chilena excluiu a área que envolvia os municípios Antônio João, Aral Moreira, Bela Vista, Caracol, Coronel Sapucaia, Paranhos, Ponta Porã, Porto Murtinho, Sete Quedas, Japorã, Corumbá e Mundo Novo. Delimitada por uma linha paralela situada a 15 Km da fronteira daquele estado com o Paraguai e a Bolívia, a área fazia parte da antiga Zona de Alta Vigilância (ZAV) implantada em 2008, em função de focos de febre aftosa registrados na região em 2005 e 2006.

No final de agosto deste ano, uma missão veterinária chilena avaliou o serviço veterinário oficial brasileiro e buscou informações sobre a vigilância para febre aftosa no país. O relatório da missão foi favorável e garantiu esta abertura de mercado.