Defesa

TeleSur
25/07/2005
Vergonha
29/07/2005

Forças Armadas

Clubes militares advertem para risco de quebra da democracia

Os comandantes militares já avisaram o vice-presidente e ministro da Defesa, José Alencar, sobre a possibilidade de radicalização por parte de setores das Forças Armadas, descontentes com a crise salarial enfrentada pelos militares.

O reajuste de 23% prometido reiteradas vezes pelo governo não saiu e os ministros da Fazenda e do Planejamento recuaram, recusando todas as propostas feitas pelo ministro da Defesa.

Em nota assinada pelos presidentes do Clube Militar, General Luiz Gonzaga Schroeder Lessa; pelo presidente do Clube Naval, Almirante José Julio Pedrosa, e pelo presidente do Clube da Aeronáutica, Brigadeiro Ivan Frota, a proposta de reajuste salarial apresentada pelo governo foi considerada humilhante.

Eles pedem aos militares para que mantenham a disciplina e não adotem medidas extremas, pois essa seria a intenção do governo ao desprestigiar o ministro da Defesa e ignorar a situação dos militares.

Diz a nota: “Os clubes Naval, Militar e da Aeronáutica estão solidários e coesos com os chefes militares e já se movimentam para adotar ações organizadas, exigindo mais respeito por parte desse governo envolvido no vergonhoso processo de corrupção que assola o país”.

Ao divulgarem um manifesto em protesto aos sucessivos adiamentos do reajuste salarial, os presidentes dos clubes militares afirmam que é preciso tomar cuidado com aqueles que desejam provocar uma fratura institucional no país, como forma de estancar o inexorável processo de implosão do partido governista.

Leia abaixo a íntegra do manifesto de Alerta assinado pelos presidentes dos clubes militares, em 22 de julho.

”Desde os primeiros dias de 2005, quase sem trégua, tem sido incessante a luta por melhores salários da sofrida classe militar, capitaneada pela voz dos seus mais expressivos e lídimos representantes – Ministro da Defesa e Comandantes Militares – e, com não menos vigor, por aqueles que trazem nas suas almas as cores militares, refletidas na palavra apaixonada, mas equilibrada dos Clubes Naval, Militar e de Aeronáutica em expressivas mensagens dirigidas aos Srs Presidente da República, Vice-Presidente da República e Comandantes Militares.

Por seguidas vezes, também, parlamentares federais, reconhecendo a justeza do pleito dos militares, ergueram suas vozes nas tribunas do Congresso fazendo eco às nossas reivindicações.

Apesar de todo esse esforço, equilibrado, racional, legítimo, buscando despertar a razão, o espírito público e a sensibilidade política daqueles que governam o País, absolutamente nada foi conseguido no sentido de se cumprir a palavra, a promessa presidencial, de que os vencimentos seriam reajustados, e simplesmente reajustados, em 23%.

A insensibilidade do Governo chegou a tal ponto que só nos resta ponderar que, além de um óbvio revanchismo, parece existir o objetivo de desmoralizar as Forças Armadas, esquecendo-se que elas são a garantia da Nação e depositárias da confiança e da maior consideração do povo brasileiro.

A relutância em atender o que pleiteiam os militares poderá levá-los a uma situação de desespero, de desalento e de descrença, com sérios riscos para a hierarquia e disciplina das Forças Armadas.

Enganam-se, todavia, aqueles que, tentando asfixiá-las com baixos soldos e limitados orçamentos, possam julgá-las como algo descartável. Como no passado, somos forças vivas, atuantes em todo processo evolutivo da Nação.

Silentes, não estamos ausentes e indiferentes ao que se passa no país. A coesão entre os seus membros é alicerçada num incomensurável componente moral que, a despeito das dificuldades conjunturais, aglutinam seus integrantes – oficiais e praças, ativos e inativos – em direção aos objetivos maiores definidos na missão constitucional que, um dia, juramos defender mesmo com o sacrifício da própria vida.

COMPANHEIROS, MAIS DO QUE NUNCA DEVEMOS ESTAR ALERTAS.

Não podemos transigir com as tentativas de levar-nos à indisciplina e à quebra da confiança na cadeia de comando. Confiemos em que a razão e o bom senso prevalecerão sobre a presente atitude de desatenção e desconsideração para com as Forças Armadas brasileiras.

Almirante de Esquadra JOSÉ JULIO PEDROSA – Presidente do Clube Naval;

General de Ex̩rcito LUIZ GONZAGA SCHROEDER LESSA РPresidente do Clube Militar;

Tenente Brigadeiro IVAN FROTA – Presidente do Clube de Aeronáutica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *