Brasília, 01 de outubro de 2020 - 12h00
CNA avalia perspectivas entre Brasil e China nos próximos 10 anos

CNA avalia perspectivas entre Brasil e China nos próximos 10 anos

27 de maio de 2020 - 18:52:16
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Na última sexta-feira, 22, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promoveu uma transmissão ao vivo para analisar as perspectivas da relação comercial entre Brasil e China nos próximos 10 anos. O encontro contou com a participação da superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, e do superintendente técnico, Bruno Lucchi.

As discussões foram baseadas em um relatório organizado pelo escritório da CNA em Xangai, a partir do documento “China Agricultural Outlook 2020-2029”. O estudo é resultado da 7ª Conferência sobre as Perspectivas Agrícolas da China 2020, realizada em abril deste ano, em Pequim.

O levantamento analisa 18 produtos agropecuários em aspectos como produção, consumo, comércio e preço para os próximos 10 anos. Na lista estão arroz, trigo, milho, soja, culturas oleaginosas, algodão, açúcar, legumes, batatas, frutas, carne suína, carne aviária, carnes bovina e ovina, ovos, lácteos, pescados e rações.

Lígia Dutra destacou que a China, o principal parceiro comercial do Brasil, nesse ano, já comprou mais de US$ 11 bilhões em produtos do agro, quase 38% de tudo que foi comercializado internacionalmente. “É um país extremamente importante para nós e precisamos saber o que está acontecendo na agricultura chinesa para saber o espaço que nós teremos no futuro. A CNA está de olho e muito próxima do que está acontecendo na China para poder orientar os nossos produtores e a nossa produção”, explicou.

O documento aponta que o PIB chinês deverá ter um crescimento médio anual de 5%, o que indica uma necessidade de parcerias comerciais com outros países, entre eles o Brasil, para manter as importações de produtos agropecuários.

Para Bruno Lucchi, as informações do documento serão importantes para a elaboração de políticas públicas e para que a agropecuária brasileira possa aproveitar um mercado tão importante para o produtor rural brasileiro. “A crise do coronavírus vai impactar todo o agro e afetar o consumo interno. A exportação será importantíssima para que possamos equilibrar essa produção. Além de gerar divisas para o País, ela permite dar escala aos produtores, garantir que o pacote tecnológico seja melhorado constantemente e diversificar a renda do produtor rural”, afirmou ele.