Brasília, 18 de fevereiro de 2019 - 12h44

Economia

10 de junho de 2014
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília – A Confederação Nacional da Indústria (CNI) alertou que o Brasil possui um déficit de US$ 64 bilhões em obras de infraestrutura. Para a CNI, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ampliou a média anual de investimentos de US$ 2 bilhões, entre 2001 e 2006, para US$ 5 bilhões, mas não consegue suprir a necessidade de obras em rodovias, ferrovias e portos.



A informação foi tema de debate entre membros da indústria e diplomatas estrangeiros de 78 países. O encontro, realizado pela primeira vez, pretende abrir um canal direto de informações com o Corpo Diplomático para evitar ruídos.



Segundo a CNI, diferentemente do Chile que investe 6,2% do PIB em infraestrutura, o Brasil investe apenas 2,1% do seu Produto Interno Bruto e, por isso, precisa abrir concessões públicas e melhorar o ambiente de negócios para atrair investimentos do setor privado nacional e estrangeiro.



Durante o Briefing Diplomático, a primeira reunião promovida com 118 diplomatas, em Brasília, a CNI fez questão de demonstrar o seu empenho em apresentar às embaixadas estrangeiras, a cada seis meses, sua agenda de prioridades para as políticas públicas e, assim, se tornar fonte primária das informações enviadas às outras nações.



De acordo com o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi, “vamos criar um diálogo estreito com os diferentes países para integrar mais e melhor as indústrias brasileiras”, afirmou.



A CNI aproveitou a oportunidade para manifestar o seu desejo por uma rápida conclusão do acordo de livre comércio entre Mercosul-União Europeia, mas deixou claro que quer acordos com outros países, principalmente para derrubar barreiras ao comércio.



Neste sentido, a CNI vai intensificar seus esforços por acordos contra dupla tributação e a implementação das regras de facilitar o comércio aprovadas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) em dezembro de 2013.