Brasília, 10 de dezembro de 2018 - 01h19
CNI: Brasil perde quase US$ 1 bi com medidas de defesa comercial

CNI: Brasil perde quase US$ 1 bi com medidas de defesa comercial

10 de outubro de 2018
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - A aplicação de medidas de defesa comercial contra o Brasil representa uma perda anual da ordem de US$ 1 bilhão em exportações para as empresas brasileiras, revela estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em média, quando uma medida é aplicada contra um produto brasileiro, as vendas desse bem para o exterior caem 86% ao longo de um período de 12 meses.

A análise considerou o comportamento das exportações brasileiras a partir de 13 medidas de defesa comercial aplicadas contra o Brasil entre 2015 e 2017. Elas estão divididas em medidas antidumping, antissubsídios (ou compensatórias) e salvaguardas. O estudo avaliou o valor das exportações sempre 12 meses antes e 12 meses após a aplicação desses instrumentos.

Os setores mais afetados, segundo a CNI, são os de metais (oito medidas), papel (três medidas) e açúcar (duas medidas). Os Estados Unidos foram os principais aplicadores dessas ferramentas contra o Brasil no período analisado. Ao todo, os norte-americanos utilizaram cinco instrumentos de defesa comercial contra o país, sendo três referentes a metais, um a papel e um a borracha.

O estudo mostra ainda que a aplicação dos instrumentos de defesa comercial contra o Brasil cresce em ritmo acelerado. O número de novas medidas passou de duas, em 2015, para seis, em 2016, e nove, em 2017.

Na avaliação da CNI, o aumento do uso dos instrumentos antidumping, antissubsídios e salvaguardas contra o Brasil mostra que o país precisa apoiar mais os exportadores nesse processo e fortalecer o seu sistema de defesa comercial.

No apoio aos exportadores, o governo precisa acompanhar, ao menos nos produtos em que o Brasil é competitivo, o comportamento de outros mercados para analisar que medidas de defesa comercial eles vêm tomando e se antecipar à aplicação de algum instrumento contra o Brasil.

Depois, uma vez que uma investigação contra um produto é iniciada, o governo pode apoiar o exportador nesse processo – por exemplo, acelerando a liberação, para as empresas, de documentos que elas precisam entregar aos outros países.

Se uma medida é finalmente adotada por outro país contra o Brasil, o Executivo precisa acompanhar se ela está sendo conduzida de acordo com as regras multilaterais estabelecidas para a prática. Muitas vezes, o Brasil é alvo de medidas de defesa comercial que não respeitam normas da Organização Mundial do comércio (OMC). No que diz respeito ao fortalecimento do sistema, o Brasil deve usar tecnicamente os instrumentos de defesa comercial, que não se confundem com protecionismo, contra outros países.

“Enquanto o mundo amplia a utilização das ferramentas de defesa comercial, nós não estamos dando valor à defesa comercial aplicada sobre os parâmetros da OMC. A CNI é favorável à aplicação de medidas de defesa contra outros países com embasamento técnico e com o objetivo de combater práticas desleais. Há, no entanto, órgãos do governo que sequer seguem o roteiro técnico e politizam a aplicação das medidas”, disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi.

Em valores, as salvaguardas impostas pela China contra o açúcar brasileiro foram a medida que representou a maior perda para o Brasil no período analisado. Em 2017, depois de alegar um surto de importações do produto brasileiro, a China aplicou uma tarifa adicional para volumes de açúcar que ultrapassem uma cota anual de 1,945 milhão de toneladas.

Segundo o levantamento da CNI, durante o primeiro ano de vigência dessa medida da China, as exportações do açúcar brasileiro do país asiático caíram 93% ou US$ 712,6 milhões, de US$ 767,5 milhões para US$ 54,9 milhões.

Em segundo lugar, destacam-se as medidas antidumping e anti-subsídio aplicadas simultaneamente pelos Estados Unidos em 2016 contra os laminados a frio do Brasil. As exportações desse produto para os americanos caíram de 81,9% ou US$ 61,4 milhões nos 12 meses seguintes à elevação das taxas, de US$ 74,9 milhões para US$ 13,5 milhões.

Em seguida, outro instrumento aplicado pelos Estados Unidos contra o Brasil – uma medida antidumping em 2016 contra o papel não revestido brasileiro – causou uma redução de US$ 59 milhões nas exportações ao longo de um ano, de US$ 124,2 milhões para US$ 65,2 milhões.

Outra medida antidumping aplicada pela Índia contra os laminados a quente no Brasil em 2017 contribuiu para uma perda de US$ 45,8 milhões nas exportações brasileiras em 12 meses – de US$ 45,9 milhões para US$ 82,6 mil no período.

A CNI monitora ainda o comportamento de outras quatro medidas de defesa comercial que foram aplicadas há menos de 12 meses pelos Estados Unidos, União Europeia, Paquistão e China contra produtos brasileiros.

Na proposta “Defesa comercial: agenda para um comércio justo”, entregue aos candidatos à Presidência da República, em julho, a CNI recomenda ao próximo governo que evite ingerência política com argumentos frágeis na defesa comercial brasileira. O avanço do comércio exterior brasileiro depende do uso técnico desse instrumento. O documento mostra que medidas antidumping, antissubsídios e salvaguardas são legítimas, usadas para inibir práticas desleais de comércio e estabelecidos por normas internacionais.

Assuntos estratégicos

Brasil defende aprovação de lei que congela bens de terroristas

Brasil defende aprovação de lei que congela bens de terroristas

Brasília – O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, defendeu nesta...
Paraguai intensifica combate a grupos criminosos do Brasil

Paraguai intensifica combate a grupos criminosos do Brasil

Brasília - O governo do Paraguai intensificou o combate das ramificações das...
Radares aéreos são instalados para combater tráfico de droga e armas

Radares aéreos são instalados para combater tráfico de droga e armas

Brasília - O Brasil vai instalar três radares aéreos para o controle de voos de...
Governo brasileiro oficializa extinção da binacional espacial criada com Ucrânia

Governo brasileiro oficializa extinção da binacional espacial criada com Ucrânia

Brasília - O governo brasileiro encaminhou ao Congresso Nacional a Medida Provisória...
ABIN defende constitucionalização da Inteligência e alerta para ameaças

ABIN defende constitucionalização da Inteligência e alerta para ameaças

Brasília – O Diretor-Geral da Agência Brasileira de Inteligência,...
Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...