Brasília, 01 de outubro de 2020 - 11h49

A recomposição Brasil – Argentina que exclui embaixador brasileiro

17 de fevereiro de 2020 - 15:38:58
por: Marcelo Rech
Compartilhar artigo:
A recomposição Brasil – Argentina que exclui embaixador brasileiro

Nesta quarta-feira, 12, Brasil e Argentina deram um passo decisivo para recompor as relações bilaterais após a troca de insultos entre Jair Bolsonaro e Alberto Fernández. No entanto, o atual Embaixador do Brasil em Buenos Aires, Sérgio França Danese, está fora dessa equação. Pelo menos no que depender da chancelaria argentina.

Danese, que ocupa o cargo desde 2016, não quis receber o ministro das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto, Felipe Solá, logo de sua designação pelo então presidente eleito Alberto Fernández. Solá não engole a desfeita.

Entre 2009 e 2015, Sérgio Danese serviu ao governo do PT como chefe da Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (AFEPA), depois como Subsecretário-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior, e por último, como Secretário-Geral, sendo o número 2 do Itamaraty.

Na avaliação de membros da comitiva de Felipe Solá, Sérgio Danese negou-se a ver-se com o chanceler designado como forma de agradar ao governo Bolsonaro e evitar a demissão do cargo, ou seja, colocou seus interesses pessoais acima dos interesses do país na relação com a Argentina.

Cuba, Venezuela e Nicarágua fora da posse de Lacalle no Uruguai

Cuba, Venezuela e Nicarágua fora da posse de Lacalle no Uruguai

O presidente eleito do Uruguai, Luis Lacalle Pou decidiu não convidar os presidentes de Cuba, Venezuela e Nicarágua para a sua posse no dia 1º de março em Montevideo. Ainda não está decidido se a presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, participará da cerimônia.

De acordo com diplomatas uruguaios, a decisão foi tomada por Lacalle Pou e terá de ser seguida pela equipe do ainda presidente Tabaré Vázquez. O futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Talvi, confirmou que o gabinete de Lacalle Pou está analisando os convites à luz da Carta Democrática Interamericana. Talvi confirmou ainda que o novo governo uruguaio reconhecerá Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela.

Nesta quinta-feira, 13, Ernesto Talvi reuniu-se em Brasília com o chanceler Ernesto Araújo. Além de confirmar a presença de Jair Bolsonaro na posse de Lacalle Pou, Talvi e Araújo acertaram a realização de uma reunião entre os dois presidentes tendo o fortalecimento do MERCOSUL como tema principal.

Uruguai terá lei do abate para frear narcotráfico

Uruguai terá lei do abate para frear narcotráfico

O futuro ministro da Defesa do Uruguai, Javier García, revelou nesta quinta-feira, 13, que o país pretende adotar uma lei para abater aeronaves ilegais à serviço do crime organizado e o narcotráfico. Segundo ele, todos os países da região dispõem deste mecanismo e o Uruguai não pode ignorar que há um aumento no trânsito e tráfego de pequenos aviões pelo espaço aéreo do país.

García reconheceu ainda que o Uruguai não dispõe dos mecanismos e equipamentos capazes de fazer frente à estas ameaças. Os aviões militares do país têm entre 40 e 50 anos. Ele assegurou que a medida cumprirá com diversos passos e que a palavra final sobre a derrubada de um avião caberá ao presidente da República.

MERCOSUL terá reunião extraordinária para discutir ressurgimento de epidemias

MERCOSUL terá reunião extraordinária para discutir ressurgimento de epidemias

Os ministros da Saúde dos países que integram o MERCOSUL, se reunirão na próxima quarta-feira, 19, em Assunção, para analisar a propagação de dengue, o reaparecimento do sarampo e a possível chegada do coronavírus da China, na região. Apenas em 2020, a dengue provocou 16 mortes no Paraguai. Outros 89 falecimentos estão sendo investigados. Há ainda, 4.200 pessoas infectadas no país.

A reunião pretende determinar medidas no âmbito do bloco para controlar a epidemia no Paraguai e evitar a propagação da dengue para os países vizinhos. Além disso, o reaparecimento do sarampo na região preocupa muito as autoridades de saúde. Quanto ao coronavírus, o plano é detalhar uma estratégia regional de combate caso o problema se apresente.

Ausência de Alberto Fernández na posse de Lacalle Pou, gera mal-estar

Ausência de Alberto Fernández na posse de Lacalle Pou, gera mal-estar

O chanceler designado do Uruguai, Ernesto Talvi, viaja nesta segunda-feira, 17, para Buenos Aires, para encontrar-se com o ministro de Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto, da Argentina, Felipe Solá. O principal tema a ser tratado diz respeito à ausência de Alberto Fernández na posse de Lacalle Pou, no dia 1º de março.

Neste dia, o Congresso argentino inaugura o ano legislativo e o presidente fará um discurso no estilo “Estado da União”. No entanto, os uruguaios entendem que seria possível Fernández comparecer aos dois eventos. Um voo comercial entre Buenos Aires e Montevideo dura, em média, 47 minutos.

A decisão do presidente argentino também inviabiliza o encontro com Jair Bolsonaro, sugerido pelo brasileiro, na semana passada. A ausência de Alberto Fernández numa cerimônia recheada de líderes sul-americanos poderá produzir novos ruídos diplomáticos. O anúncio de sua desistência veio após o presidente eleito do Uruguai confirmar que não seriam convidados os presidentes de Cuba, Venezuela e Nicarágua.

Artigos Anteriores