Brasília, 20 de novembro de 2019 - 08h45

Venezuela e China na agenda republicana no Brasil

11 de outubro de 2019 - 16:41:32
por: Marcelo Rech
Compartilhar artigo:
Venezuela e China na agenda republicana no Brasil

O senador republicano Rick Scott (Flórida) está no Brasil onde cumpre uma extensa agenda política que incluiu encontros com o presidente Jair Bolsonaro, os ministros Ernesto Araújo e Fernando Azevedo, o deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, e a Embaixadora encarregada da Venezuela, Maria Teresa Belandria. Na pauta, a crise venezuelana e a ascensão da China na América Latina.

Na avaliação do senador, Brasil e Estados Unidos podem fazer muito em termos econômicos, mas também em relação às liberdades na América Latina. Ele afirmou que é preciso intervir na Venezuela, pois as pessoas estão literalmente morrendo. Para o senador, é preciso pôr fim ao regime cruel de Nicolás Maduro.

Brasil amplia apoio aos refugiados sírios

Brasil amplia apoio aos refugiados sírios

No dia 8, o governo emitiu a Portaria Interministerial nº 9 que dispõe sobre a concessão e os procedimentos do visto temporário e da respectiva autorização de residência para fins de acolhida humanitária a pessoas afetadas pelo conflito armado na República Árabe Síria. A hipótese de acolhida humanitária prevista na Portaria não prejudica o reconhecimento de outras que possam ser futuramente adotadas pelo Brasil.

O Ministério da Justiça e o Itamaraty decidiram permitir a cidadãos da Síria, autorização de residência temporária no Brasil por dois anos, com possibilidade de estenderem sua permanência aqui por tempo indeterminado caso, ao final desse período, comprovem ter meios de se manter no Brasil e não tenham registro criminal durante esse tempo de permanência. Como se trata de uma medida de caráter humanitário, não é preciso comprovar perseguição ou algo do gênero. Basta ter o passaporte sírio e declarar não ter antecedentes criminais.

CAMEX ganha poderes para interferir em políticas

CAMEX ganha poderes para interferir em políticas

O governo federal deu uma turbinada na Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), vinculada ao Ministério da Economia. Até então, a CAMEX tinha como objetivo central a “coordenação de políticas e atividades relativas ao comércio exterior”. Agora, passará a interferir também sobre políticas que afetem “investimentos estrangeiros diretos”, os “investimentos brasileiros no exterior” e o “financiamento às exportações”.

Ela passará a atuar também de maneira mais direta na “condução de negociações comerciais e de investimentos de natureza bilateral, regional e multilateral”. Isso significa que o novo órgão máximo da Camex, o Conselho de Estratégia Comercial, terá como uma de suas atribuições “conceder mandato negociador e oferecer as diretrizes para as negociações de acordos e convênios relativos ao comércio exterior, aos investimentos estrangeiros diretos e aos investimentos brasileiros no exterior, de natureza bilateral, regional ou multilateral, e acompanhar o andamento e monitorar os resultados dessas negociações”.