Brasília, 16 de janeiro de 2019 - 17h31
Comandante assume Aeronáutica com mensagem sobre o inconformismo dos que perderam o poder

Comandante assume Aeronáutica com mensagem sobre o inconformismo dos que perderam o poder

04 de janeiro de 2019
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez assumiu, nesta sexta-feira, 4, o cargo de Comandante da Força Aérea Brasileira (FAB) em solenidade realizada na Base Aérea da capital e que contou com as presenças do presidente Jair Bolsonaro, do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e dos futuros comandantes do Exército e da Marinha.

Em sua despedida, o Tenente-Brigadeiro Nivaldo Rossato destacou aquela que foi sua principal bandeira à frente da Aeronáutica: o processo de Reestruturação administrativa e operacional da Força Aérea. Nas suas palavras, nos últimos quatro anos, foram tomadas medidas necessárias à pavimentação de um poder aéreo condizente com a estrutura geopolítica brasileira.

Já o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, enfatizou a atuação da FAB na integração do país na Região Amazônica, a sedimentação do conceito de Dimensão 22 - que explica à sociedade o cenário tridimensional de 22 milhões de quilômetros quadrados em que se dá a atuação da FAB. "Outro feito foi a aquisição de novos vetores, como a aeronave multimissão KC-390, que certamente vai atender às necessidades das três Forças. E também receberemos os caças inteligentes Gripen NG", afirmou.

Bermudez destacou a importância da modernização da Força Aérea, da incorporação de novas tecnologias e da qualificação do pessoal, e reafirmou seu propósito de que o Brasil continuará sempre acima de tudo.

Segundo ele, “cada vez mais, precisaremos de pessoas que transformem habilidade e esforço em desempenho e eficácia, que estejam aptos a operarem equipamentos de finas e sensíveis tecnologias embarcados em nossas aeronaves KC-390 e F-39 Gripen, plataformas estas que darão especial realce à prioridade conferida à Amazônia e ao Atlântico Sul, regiões que ostentam potencialidades e atraem cobiças que conflitam com os interesses maiores do povo brasileiro”.

Para o Comandante da Aeronáutica, a implementação do Projeto Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE) trará uma significativa mudança nos conceitos das operações das Forças Armadas. “Simultaneamente, permitirá seu uso em aplicações para a sociedade brasileira nas áreas de comunicações, meteorologia, navegação e monitoramento do espaço”, afirmou.

“Continuaremos a fomentar e priorizar nossa indústria de defesa, gerando empregos e fortalecendo a soberania do país. O A-29 Super Tucano e o KC-390 são exemplos para o mundo da eficiência e do sucesso de parceria da FAB com a EMBRAER. Da mesma forma, o F-39 Gripen, que será a espinha dorsal da Defesa Aérea do Brasil, representará o maior salto tecnológico dos últimos 40 anos”, defendeu.

Por fim, uma mensagem direta ao presidente Jair Bolsonaro: “o documento que define a conduta do Governo Federal, nesta sua fase inicial, deixa claro que dificuldades irão surgir, seja pelo receio às mudanças, seja pela escassez de recursos, ou mesmo provenientes da reação corporativa, ou do inconformismo com um governo verdadeiramente diferente. Entretanto o próprio documento evidencia que nada disso será suficiente para impedir o avanço de nosso país”, assegurou.

Leia o discurso do Comandante da Aeronáuticahttp://www.inforel.org/discurso-do-novo-comandante-da-aeronautica