Brasília, 27 de março de 2019 - 00h29

Comissão de Relações Exteriores do Senado discutir

23 de fevereiro de 2011 - 16:02:27
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Eleito presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional do Senado Federal para o biênio 2011-2013, Fernando Collor de Mello (PTB-AL), anunciou a realização de audiências públicas para discutir as mudanças estratégicas globais.



Segundo ele, “o mundo sofreu grandes transformações nas últimas décadas do século 20 a partir da dissolução da União Soviética e da queda do Muro de Berlim, e surgiram novos desafios a partir dos ataques terroristas contra os Estados Unidos, que se mostraram com força na primeira década do século 21. Por meio de um ciclo de debates podemos encontrar a melhor maneira de nos prepararmos e achar novas soluções para esses problemas.”



 



Collor também quer envolver a CRE nas discussões acerca da concessão de créditos e o perdão de dívidas contraídas por outros países com o Brasil.



 



“Essa discussão, hoje, está restrita à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), mas não podemos esquecer que se trata de tema intrínseco à política externa e aos interesses estratégicos nacionais”, ressaltou.



 



Embaixadores



 



O senador quer ainda que as sabatinas de autoridades sejam antecipadas pela discussão e votação dos respectivos relatórios, em sessão extraordinária. Atualmente, os relatórios são lidos na presença dos embaixadores.



 



Além disso, o Itamaraty terá de enviar à Comissão de Relações Exteriores, relatório com todas as informações sobre o Estado ou organização internacional para o qual o candidato foi indicado, cópia dos tratados e acordos já firmados, bem como os contratos de empréstimos e financiamentos oficiais concedidos pelo Brasil, incluindo os atos referentes a perdão de dívidas ou renúncia fiscal.



 



A argüição do Diretor-Geral da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) se dará em sessão secreta.



 



Às audiências públicas, serão chamados expositores favoráveis e contrários à matéria examinada. Especialistas no assunto também poderão participar dos trabalhos, na condição de formuladores de questões aos expositores.