Brasília, 13 de novembro de 2018 - 01h44

Falta de compostura

15 de novembro de 2009
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

As três empresas finalistas na concorrência para o fornecimento de 36 aviões de combate para a Força Aérea Brasileira (FAB), intensificam a briga nos bastidores para garantir um contrato que pode chegar aos US$ 4 bilhões.



O governo prometeu divulgar o nome da vencedora em outubro, mas as divergências entre o que querem o presidente Lula e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o que defendem os oficiais da Aeronáutica, adiou o anúncio oficial.



Lula e Jobim querem confirmar a escolha do Rafale, da francesa Dassault. Os militares que analisam as propostas tecnicamente preferem o Gripen, da sueca Saab.



Por conta dessa briga, já se cogita até mesmo o cancelamento do processo e a criação no próximo ano do programa FX3.



Na semana passada, o diretor da Dassault no Brasil, Jean Marc Merinaldo, criticou a Boeing e a Saab, que segundo ele, estariam plantando notícias falsas na imprensa.



Apesar de não revelar o preço do Rafale, afirmou que o avião não é 40% mais caro que os concorrentes. Para Merinaldo, falta compostura às empresas concorrentes.



O executivo explicou que o preço não pode ser divulgado por questões contratuais. Há um acordo de confidencialidade firmado entre as empresas e a FAB.



Ele disse que o preço do Rafale é compatível com os valores praticados pela concorrência. Em setembro, o presidente francês Nicolas Sarkozy garantiu que a Dassault venderia o caça pelo mesmo preço cobrado das Forças Armadas da França.



Estima-se que a França pegue cerca de 50 milhões de euros por unidade. De acordo com os concorrentes, a Dassault venderia o Rafale por 98 milhões de euros para o Brasil.



Merinaldo afirmou ainda que seriam necessários dos Gripen para executar a tarefa de um Rafale, o sucessor do Mirage 2000.



“O Gripen é um monomotor da classe Mirage 2000, de classe diferente do Rafale que é um bimotor que traz mais segurança e capacidade operacional superior. A depender da missão, são necessários dois Mirage 2000 para executar a missão de um Rafale”, explicou Jean Marc Merinaldo.



Transferência de tecnologia



O diretor da Dassault confirmou que a transferência de tecnologia não será de 100% e que chegará aos 50% apenas na entrega da 36ª aeronave.



Pela proposta entregue à FAB, as seis primeiras aeronaves serão montadas na França. As 30 seguintes no Brasil.



Além disso, a França se comprometeu com a compra de dez aviões KC 390 da Embraer.



Análise da Notícia



O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que a transferência de tecnologia é crucial para a definição da empresa que vai fornecer os caças para a Força Aérea.



Foi a senha para as concorrentes do Rafael detonarem o projeto francês. A transferência de tecnologia chegará aos 50% apenas na entrega da última das 36 aeronaves.



O ministro garantiu em audiência pública no Senado que essa transferência seria de 100%.



Como Brasil pretende adquirir o conhecimento para poder fabricar um caça e comercializá-lo na região, o F18 teve suas chances reduzidas ao mínimo.



Mas o Gripen possui componentes norte-americanos e isso é suficiente para os Estados Unidos vetarem sua venda para países considerados hostis.



Restou o Rafale, mas o francês também conta com equipamentos fabricados pelos norte-americanos.



A considerar o discurso oficial, os três teriam de ser eliminados do processo.



No Congresso já se fala em adiamento da decisão com a criação do FX3. A Saab estaria interessada nessa solução. Com mais tempo, poderia virar o jogo.



Especialistas afirmam que a FAB vai cometer um erro colossal se optar pelo Gripen. Seria repetir o erro cometido com o projeto AMX.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...